Presidente do Corinthians critica torcida única em clássicos: "É demagogia"

Diego Salgado

Do UOL, em São Paulo

  • Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

    Roberto de Andrade defendeu a presença de torcedores de dois times em clássicos

    Roberto de Andrade defendeu a presença de torcedores de dois times em clássicos

O presidente do Corinthians, Roberto de Andrade, não poupou críticas sobre a torcida única em clássicos disputados em São Paulo. O assunto surgiu depois que cerca de 1.200 torcedores alvinegros apoiaram os jogadores no CT Joaquim Grava na véspera do jogo contra o Palmeiras no Allianz Parque.

"Falo nesse assunto todas as vezes que tenho oportunidade com as pessoas certas. Nunca deixei de lado, pelo contrário. Estamos brigando, tentando que as coisas mudem. A torcida já deu manifestações de que merece ter um voto de confiança, se assim posso dizer. Acho que o futebol está perdendo a graça em todos os sentidos", disse o dirigente corintiano.

"A violência não está somente na arquibancada, está no país. Não é só no futebol. É uma demagogia grande. Está muito cômodo não sei para quem. Não consigo entender. Queria que alguém me explicasse se isso resolveu algum problema", completou.

A decisão de proibir torcedores de times visitantes na casa do mandante deu-se em abril do ano passado. No começo do ano, uma reunião entre os quatro grandes de São Paulo, Federação Paulista de Futebol, o Ministério Público, Tribunal de Justiça, Secretaria de Segurança Pública e Polícia Militar e Civil manteve a decisão para a temporada 2017.

Roberto também mencionou a punição cumprida pelo clube na última partida disputada em Itaquera. O setor Norte da Arena ficou fechado pod determinação do STJD depois de torcedores acenderem sinalizadores no local.

"A legislação esportiva está aí e tem que ser cumprida. Mas bloquear o setor Norte, como foi sábado, muda o que? O torcedor estava lá do mesmo jeito. É um me engana que eu gosto, só prejudica o clube financeiramente. A violência não sai da arquibancada. Ela está em todo país, todas as equinas, é só abrir o jornal e você vê, morre um, matam dez. Está muito cômodo as coisas ficarem assim", frisou.

Dirigente fala sobre manutenção do time

Roberto também falou sobre a possível saída de alguns jogadores do time corintiano, que é líder do Brasileirão com nove pontos de vantagem sobre o segundo colocado. Segundo ele, a ideia da diretoria é manter o elenco pelo menos até o fim do ano.

"A gente vem conversando com os empresários do Arana direto. Vem situações, estamos avaliando o que vai ser feito", disse o presidente do Corinthians, que reiterou que o clube recusou duas propostas na semana passada.

"Pode ser que apareça alguma coisa, mas a ideia não é liberar ninguém agora. É manter o grupo", disse.

O mandatário ainda explicou a negociação que envolve o zagueiro Pablo. De acordo com ele, o acerto com o Bordeaux está perto - o Corinthians precisa desembolsar 3 milhões de euros (R$ 11 milhões) para comprá-lo. "Falei que falta pouco, não que o pouco seja dinheiro. Quando chegar no fim, eu falo", disse.

O presidente corintiano também ressaltou que hoje não existe nenhuma negociação em curso, seja para chegadas ou saídas - com exceção das conversas pela permanência de Pablo.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos