Presidente do Fortaleza discursa após agressão de torcedores aos atletas

Do UOL, em São Paulo (SP)

  • Reprodução

    Presidente do Fortaleza lê comunicado oficial do clube

    Presidente do Fortaleza lê comunicado oficial do clube

O presidente do Fortaleza, Luiz Eduardo Girão, acompanhado dos jogadores, da comissão técnica e de outros integrantes da diretoria, se pronunciou na noite desta segunda-feira (17) após as agressões de torcedores aos atletas no último domingo (16). O mandatário, no entanto, apenas leu uma nota oficial do clube e não abriu para perguntas dos jornalistas presentes.

"A diretoria tem cobrado com firmeza uma postura diferente da equipe. Entendemos, portanto, que o torcedor tem o direito de fazer o mesmo. Sabemos que a maioria da torcida tricolor é de paz, é unida e não gosta de violência, inclusive as organizadas também o são, no entanto, as cobranças nunca podem vir sob a forma de violência. Isso nós não vamos admitir", disse Girão.

A revolta dos torcedores do Fortaleza com o empate contra o Remo, em casa, pela Série C foi além das vaias nas arquibancadas do estádio Presidente Vargas. Insatisfeitos com o quarto jogo sem vitórias do time, alguns torcedores agrediram quatro jogadores tricolores na saída do PV.

O episódio ocorreu no estacionamento interno do estádio Presidente Vargas. Os jogadores foram cercados e, em questão de segundos, a discussão se transformou em agressões que foram contidas apenas com a chegada da Polícia Militar.

Confira na íntegra o comunicado do Fortaleza:

Em geral, os hinos dos clubes de futebol tratam mais ou menos dos mesmos temas: vitórias, tradição, conquistas. O hino do Fortaleza, que não por acaso completa 50 anos neste ano, traz uma expressão provavelmente única: diz que nossa torcida é leal. Claro que as cobranças são naturais, justas e até mesmo bem-vindas. Esta é uma face da lealdade. Cobrar significa acreditar. É crer que o time pode render mais do que vem rendendo.

O próprio grupo sabe disso. E a diretoria tem cobrado com firmeza uma postura diferente da equipe. Entendemos, portanto, que o torcedor tem o direito de fazer o mesmo. Sabemos que a maioria da torcida tricolor é de paz, é unida e não gosta de violência, inclusive as organizadas também o são, no entanto, as cobranças nunca podem vir sob a forma de violência. Isso nós não vamos admitir. A outra forma da lealdade é o apoio incondicional. É o sincero abraço de que fala nosso hino. E sim, apesar dos focos isolados de violência, há uma imensa maioria de torcedores do bem que escolheram nos apoiar. Foram inúmeras as mensagens de solidariedade que temos recebido desde ontem. São torcedores, que longe de serem ingênuos, sabem enxergar bem a realidade.

Ora, não há mais inscrições, este é o time com suas virtudes e defeitos, que vai buscar a classificação. Os que escolheram apoiar são ainda torcedores que conhecem a história do clube. Sabem que não foram poucas as vezes em que Fortaleza fez o inacreditável, alcançou o impossível. Nestas ocasiões, o espírito de superação dos jogadores e a força da torcida, se combinou ao trabalho árduo de dirigentes e funcionários. A mística daquelas camisas tratou de fazer o resto.

Confiamos que a história venha a se repetir. E caso realmente aconteça, que bom será para você, torcedor tricolor, poder contar aos seus filhos e netos que, em 2017, naquele momento mais difícil, você escolheu ser leal. Você escolheu apoiar.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos