Como Oséas driblou crise imobiliária e fez dinheiro longe do futebol

Luiza Oliveira

Do UOL, em São Paulo

  • Reprodução/Instagram

    Ex-atacante Oseas se tornou investidor no ramo imobiliário na Bahia

    Ex-atacante Oseas se tornou investidor no ramo imobiliário na Bahia

Quem acompanhou futebol nos anos 90, nunca vai se esquecer de Oséas. O atacante com cachinhos no cabelo, jeito irreverente e faro artilheiro se tornou ídolo em clubes como Atlético-PR, Palmeiras e Cruzeiro. Hoje, o ex-jogador vive longe do futebol, mas continua tendo sucesso na carreira que escolheu. Ele se tornou empresário, investe no ramo imobiliário e até conseguiu driblar a crise econômica que assolou o país.

A paixão pelo futebol virou um passatempo. Agora, ele só joga bola nas peladas com os amigos de vez em quando. O ganha-pão virou outro. Ele administra junto com o irmão os investimentos em imóveis e fica em contato direto com corretores para alugar casas e apartamentos, especialmente flats, em algumas cidades do país como Belo Horizonte, São Paulo e, principalmente, Salvador.

O ex-atacante até sentiu os efeitos da crise no país que afetou bastante o setor imobiliário, mas soube como driblar com muito jogo de cintura e paciência. "A gente sente a crise. Inquilino que nunca atrasou, hoje já atrasa. Mas são coisas que temos que levar. Acontecer, acontece. Mas tem que ter jogo de cintura e conversar. Não pode ser radical: 'ah.. não pagou, então sai fora'. Os clientes sempre pagaram, mas é que não está fácil. Isso aconteceu não só na parte imobiliária, mas em outras também. Mas eu não fico vendo muito noticiário, se vai melhorar ou não. Conversa com um, com outro, a gente vê que não está fácil. Mas eu acredito que vá melhorar".

Reprodução/Instagram

Oséas aprendeu cedo a importância de se preparar para a aposentadoria e ter outra atividade quando pendurasse as chuteiras. E sempre teve em casa o bom exemplo de seu pai que era pedreiro e trabalhava com a construção civil. Ainda na época de atleta, foi incentivado por ele a comprar alguns imóveis.

Mas foi quando atuava no Palmeiras, entre 1997 e 1999, que ele teve um estalo maior e decidiu levar a sério a vida fora dos gramados. Na ocasião, o então técnico do clube Luiz Felipe Scolari mostrou uma palestra do jornalista econômico Joelmir Beting para os jogadores e isso abriu sua cabeça.

"Quando eu jogava, eu tinha uma admiração muito grande por todos os treinadores com quem eu trabalhei e em especial pelo Felipão. O Felipão me ajudava dentro e fora de campo, ele incentivava: falava que vida de jogador é curta, colocava umas palestras para a gente. Ele sempre colocava as palestras e dizia que no futuro seria bom para a gente. E uma que me marcou foi do Joelmir Beting. Uma palestra linda que o Felipão colocou. Ele falava de economia, de administração, às vezes jogador não presta muita atenção. Mas eu sabia que vida de jogador era curta. Fui me educando nesse sentido".

Hoje, já mais experiente, ele vê com otimismo o futuro dos empreendimentos e já pensa em voos mais altos na área da engenharia civil. Oséas está envolvido com as obras da sua casa que está em construção em Salvador e vem pegando gosto pela coisa. Sonha no futuro ter uma construtora com sua própria equipe de engenheiros. Mas sabe que ainda precisa aprender muito e não abre mão de curtir a família e os filhos Lucas, de 11 anos, e Luana, de 16 anos.

"Estou engatinhando nisso. Meu sonho mesmo, que eu pretendo, é fazer um prédio, construir os prédios, alugar ou vender. Para que esse sonho seja realizado, eu preciso ter uma equipe forte por trás, ter um bom engenheiro para que as coisas saiam de uma forma positiva".

Mas engana-se quem pensa que o futebol está totalmente distante da sua vida. Ele ainda acompanha o mundo da bola e sente saudades da época em que entrava em campo e fazia sucesso. Por isso, não descarta um dia voltar a trabalhar com o esporte.

"Eu nunca digo 'não'. Mas hoje, como estou focado nisso, é difícil. Mas quem sabe. Acho que eu não seria treinador, trabalharia na parte de trás, como auxiliar, ou na parte de gestão, administrativo, diretor, alguma coisa. Hoje isso não passa pela minha cabeça, mas se viesse a acontecer, eu acho que eu me encaixaria na parte".

Rogério Assis/Folha Imagem

Oseas viveu momentos marcantes na carreira com títulos como a Copa do Brasil (1998) e a Copa Libertadores (1999) pelo Palmeiras e a Copa do Brasil (2000) pelo Cruzeiro. Suas boas atuações o credenciaram para ser convocado pela seleção brasileira.

"Sou muito feliz pelo que construí. Quando eu cheguei no topo, na seleção, que era o objetivo de qualquer jogador, eu lembrei de todas as dificuldades que eu passei. Mas eu sempre acreditei. Os mais marcantes foram chegar à seleção brasileira, ter feito gol da na final da Copa do Brasil, ser campeão de Libertadores e os amigos que eu fiz. Ainda temos um grupo do Palmeiras de 99, estamos longe, mas sempre nos falamos", relembra ele.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos