Colegas de time na Argentina, argentinos se tornam "irmãos" no Cruzeiro

Enrico Bruno e Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

  • Reprodução Instagram

    Lucas Romero e Ariel Cabral são grandes amigos no Cruzeiro

    Lucas Romero e Ariel Cabral são grandes amigos no Cruzeiro

Uma parceria que transcende as quatro linhas. Ariel Cabral (29) e Lucas Romero (23) têm seis anos de diferença. A idade, porém, não é um problema para a dupla. Os argentinos têm muita proximidade e são inseparáveis fora dos gramados.

Companheiros de concentração e no time titular do Cruzeiro, eles se reúnem para tomar chimarrão, jogar carteado e sair para jantar com as suas respectivas companheiras.

O curioso é que os gringos jogaram juntos no Vélez Sarsfield, da Argentina, mas a proximidade se tornou maior na Toca da Raposa II. O fato de serem compatriotas foi preponderante para a aproximação dos meio-campistas.

A erva mate, bebida típica da região sul do país e de países vizinhos (principalmente Argentina e Uruguai), é o passatempo predileto da dupla. Eles costumam se reunir em suas respectivas residências e também nas dependências do Cruzeiro para desfrutar da iguaria.

Reprodução Instagram

Este, porém, não é o único passatempo dos gringos. Ariel Cabral e Lucas Romero gostam também de carteado. O truco, jogo de baralho bastante conhecido no Brasil, é uma forma de aproveitar os raros momentos de descanso. Na concentração, a brincadeira se tornou uma constante.

Eles ainda se encontram na hora do lazer. As companheiras, Lourdes Caceres (de Romero) e Erica (de Cabral), costumam se encontrar nos restaurantes mais badalados de Belo Horizonte e contam também com a presença dos atletas.

Os três fatores fizeram com que os jogadores se aproximassem desde a chegada à Toca da Raposa.

Embora não fossem tão amigos durante a passagem pelo Vélez Sarsfield, Ariel Cabral - em BH desde agosto de 2015 - foi crucial para a chegada de Lucas Romero à equipe e a sua consequente adaptação:

"Na contratação do Romero, cheguei a perguntar para ele o que achava do Lucas Romero. Cabral me disse que era bom jogador, que podia trazer, que ia somar muito. Quando o André Cury, intermediário da negociação, foi fazer o contato com o Romero, ele disse que queria ir para o Cruzeiro porque o Cabral falou sobre a grandeza do clube. E eu não havia pedido nada disso para o Cabral", afirmou Bruno Vicintin, vice-presidente de futebol do clube.

"Eu falo com todo mundo, acho que os companheiros também são boas pessoas. Isso facilita, é um grupo bom. Quando cheguei aqui, me ajudaram muito. Quero fazer o mesmo com quem chegar", acrescentou Ariel Cabral.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos