Neymar seria mais um troféu para proprietários qataris do PSG

Bloomberg

A iminente transferência recorde de Neymar para o time de futebol francês Paris Saint-Germain é um marco para um clube determinado a conquistar os principais troféus da Europa. Ela também é vista como uma declaração política de seu rico proprietário: o Qatar.

O dono do PSG é Nasser Ghanim Al-Khelaifi, que é frequentador assíduo em partidas do PSG e possuiu uma quantia financeira astronômica. Pela sonhada Liga dos Campeões, Nasser está perto de desembolsar 222 milhões de euros (cerca de R$ 815 milhões) para recrutar Neymar nas próximas horas.

Nasser Ghanim Al-Khelaifi é próximo do emir do Qatar. O dinheiro da transação tem como berço o fundo de investimentos Qatar Sports, que pertence ao mandatário do PSG.  

Se concretizada, a transferência seria apenas o último de uma série de acordos de grande destaque do Qatar desde junho, quando uma aliança liderada pelos sauditas cortou laços com o país do Golfo depois de acusá-lo de patrocinar o terrorismo. Desde então, o maior exportador mundial de gás natural liquefeito fechou acordo para a compra de caças F-15 dos EUA e de sete navios de guerra da Itália e flertou com a ideia de adquirir uma participação American Airlines. Mesmo que os preparativos para esses negócios sejam anteriores ao impasse, os analistas afirmam que o Qatar está determinado a mostrar que não foi afetado pela crise.

"O Qatar não se rendeu, está partindo para o contra-ataque -- e a contratação de Neymar é parte disso", disse Simon Chadwick, professor de negócios esportivos da Universidade de Salford, no Reino Unido. "É uma ofensiva de charme uma postura indireta de poder -- há algo de diplomacia internacional em tudo isso. A última coisa que a Arábia Saudita quer é que pessoas de todo o mundo falem sobre o Qatar", sobre seus investimentos nos esportes e sobre Neymar, disse ele.

Duas décadas

A Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos, o Bahrein e o Egito cortaram ligações diplomáticas e de transporte com o Qatar em 5 de junho, acusando o país de apoiar grupos extremistas em todo o Oriente Médio e de se aliar ao rival regional da Arábia Saudita, o Irã. O Qatar negou diversas vezes as acusações.

No cerne da disputa está o esforço de duas décadas do Qatar para desenvolver uma política externa em certos momentos divergente da de seus vizinhos. O país apoiou a Irmandade Muçulmana no Egito, o Hamas na Faixa de Gaza e facções armadas adversárias dos Emirados Árabes Unidos ou da Arábia Saudita na Líbia e na Síria. Em diversas ocasiões, sua emissora de televisão, a Al Jazeera, incomodou ou irritou a maioria dos governos do Oriente Médio.

O Qatar também é conhecido por torrar dinheiro em ativos-troféu, por exemplo na forma de participações em empresas internacionais como Glencore e Rosneft Oil e na aquisição de propriedades famosas de Londres, como o Shard. País desértico com poucas conquistas esportivas internacionais, o Qatar surpreendeu ao conquistar o direito de organizar a Copa do Mundo de 2022.

"O Qatar não usa ferramentas econômicas para prejudicar seus parceiros comerciais", disse o ministro das Finanças do Qatar, Ali Shareef Al Emadi, em editorial publicado pela Bloomberg na semana passada. "Também não utilizamos acordos comerciais para obter ganho político".

A contratação de Neymar pode ser um tiro pela culatra para o Qatar, especialmente se os torcedores das outras equipes a considerarem prejudicial aos seus interesses -- seja aumentando os preços dos ingressos, seja diminuindo a competitividade de suas ligas, disse Marc Ganis, presidente da empresa de marketing Sportscorp. Mesmo do ponto de vista comercial, a operação foi exagerada, disse ele.

"A quantia a ser paga por Neymar é impressionante sob qualquer aspecto", disse Ganis por e-mail. "Qualquer aumento que possa ser gerado com a chegada de Neymar ao clube seria uma gota no oceano em relação ao valor que eles pagariam por este único jogador".

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos