Estafe de Neymar admite pagar multa à Receita após redução de R$ 180 mi

Bruno Thadeu

Do UOL, em São Paulo

A despeito de ainda contestar o débito, o estafe do atacante Neymar, 25, admitiu nesta sexta-feira (11) que pode quitar uma dívida do jogador do Paris Saint-Germain com a Receita Federal. Ele havia sido autuado por irregularidades encontradas pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional referentes ao uso de empresas para receber a maior parte de seus salários, mas conseguiu parecer favorável em maio deste ano, em audiência que também julgou errôneo o mecanismo de recolhimento de impostos sobre a transferência do Santos para o Barcelona. Esse cenário havia reduzido o montante cobrado do estafe do atleta de R$ 188 milhões para R$ 8 milhões.

"Não vamos levar adiante. Esse valor será pago, embora não concordemos. Será pago para dar fim a esse litígio", disse Marcos Neder, sócio da área tributária do escritório de advocacia Trench Rossi e Watanabe, responsável pela defesa das empresas da família Neymar no caso.

Segundo o estafe do atacante, a adoção de pessoa jurídica para recebimento de direitos de imagem era legal na época. Sobretudo porque o Santos, com a presença de Neymar, teve um incremento de receita de R$ 53 milhões para R$ 175 milhões entre 2009 e 2012.

Inicialmente, Neymar havia sido autuado em R$ 188 milhões (valor que ainda demandaria correção). Em maio, contudo, o Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais), órgão vinculado ao Ministério da Fazenda e independente da Receita Federal, julgou procedente um pedido de redução e jogou o débito do atacante para R$ 8 milhões.

A dívida de Neymar tem a ver com valores que a Receita entende que o jogador teria deixado de declarar entre 2011 e 2013, período em que defendeu o Santos. No total, numa soma de montantes aferidos com as empresas

A discussão sobre valores não declarados tem a ver com os mecanismos engendrados pelo estafe de Neymar para aferir as remunerações do atleta. Quando ele defendia o Santos, por exemplo, recebia a maior porção de seus salários como direitos de imagem – prática usada recorrentemente no futebol para driblar incidência de tributos.

No Carf, a defesa de Neymar conseguiu parecer favorável na discussão sobre pagamento de direitos de imagem – o jogador recebia via empresas em que ele e o próprio pai são sócios. No entanto, o órgão identificou que houve irregularidade na declaração sobre valores da transferência do Santos para o Barcelona. O atacante recebeu via empresas um total de R$ 40 milhões entre 2011 e 2014, e por isso descontou apenas impostos de pessoa jurídica (17% à época). Segundo os auditores, porém, esse montante deveria ter sido condicionado a taxas de pessoa física (27,5%).

A vitória do estafe de Neymar e a decisão posterior do Carf explicam a redução de R$ 188 milhões para R$ 8 milhões no valor devido pelo jogador. Ainda não existe um prazo para que esse débito seja quitado.

No Paris Saint-Germain, segundo o estafe do atleta, todo o valor recebido por Neymar será registrado como salário. O contrato do jogador não contempla direitos de imagem ou bonificações por produtividade, por exemplo.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos