Novo status na Roma: mudança põe ex-reserva Alisson mais perto da Copa

Dassler Marques e Karla Torralba

Do UOL, em São Paulo

Alisson terá uma temporada diferente a caminho da Copa do Mundo, enfim como titular da Roma. Depois de um ano como reserva do polonês Szczesny, o goleiro revelado pelo Internacional será a primeira opção do time italiano a partir de agora. Esse é um dos passos mais importantes, ou talvez o crucial, que ele poderia dar para seguir à frente de seus rivais na concorrência pela posição mais disputada na seleção brasileira.

Weverton, Ederson, Diego Alves, Alex Muralha, Marcelo Gröhe e mais recentemente Cássio foram os outros goleiros chamados por Tite em convocações oficiais. Mas nenhum até aqui fez sombra à titularidade de Alisson na seleção brasileira, e o técnico já admitiu que ele é o mais próximo da vaga para Rússia. Segundo o treinador, "ele tem um pezinho na frente dos rivais". 

A mudança de status satisfaz uma questão que já havia sido passada pela comissão técnica da seleção a Alisson, e consequentemente por ele à Roma. Tite e o preparador Taffarel se incomodavam com a condição de reserva no clube italiano, e disseram que ele precisaria de mais ritmo para se manter no caminho para o Mundial. 

Por mais que ainda não seja uma unanimidade entre torcedores e jornalistas, Alisson já é titular da seleção brasileira desde outubro de 2015, quando barrou o botafoguense Jefferson, e registra poucas falhas e algumas atuações de destaque, como contra Uruguai, no Recife, ou Argentina, em Buenos Aires, ambas ainda com o último comandante.  

Promovido por Dunga, Alisson também goza da admiração de Taffarel e de seu atual treinador, Tite. Em oito partidas com ele nas Eliminatórias Sul-Americanas, sofreu somente dois gols. Um foi contra, feito por Marquinhos, e outro de pênalti. Essa segurança fortaleceu sua condição, mas faltava o ritmo no clube.  

Mudança na Roma é o que faltava para Alisson

Jeff Kowalsky/AFP
Alisson atua em pré-temporada da Roma nos Estados Unidos: titular absoluto

Reserva na Roma na última temporada, Alisson nunca deixou a posição de titular da seleção, mas pelo seu clube não atuava no Campeonato Italiano. Essa condição pertencia ao polonês Szczesny, que estava emprestado pelo Arsenal e acabou vendido à Juventus. Na nova equipe, ele é tido como o herdeiro de Buffon, que deve se aposentar após a Copa da Rússia. 

Na última temporada, Alisson entrou em campo apenas 15 vezes com a Roma em partidas da Liga Europa e da Copa da Itália. Quando acionado, deu conta do recado, o que fortaleceu a decisão de seu clube em atender o pedido feito por ele sobre a titularidade definitiva. O goleiro da seleção brasileira cogitava, inclusive, solicitar uma transferência se não fosse efetivado. 

"É um ano importante para mim. Minha chance chegou, clube e torcida mostraram confiança em mim. Sempre quero dar meu melhor, pelos meus companheiros de time e os torcedores", declarou o goleiro em entrevista ao site da Roma no começo de julho.

Agora, Alisson ainda tem um concorrente novo no clube, mas da mesma nacionalidade. O polonês Lukasz Skorupski, 26 anos e um dos destaques do Empoli na última temporada, retorna de empréstimo para a Roma.  

Novos concorrentes na seleção brasileira desafiam Alisson

Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians

Tite tem demonstrado, a cada convocação, que as posições de goleiros são as mais abertas do grupo. Ainda que Alisson se mantenha como titular, o treinador experimentou diversos nomes. Nos amistosos recentes na Austrália, por exemplo, escalou Weverton e Diego Alves. Para os próximos compromissos, terá, além de Alisson, o jovem Ederson, titular de Pep Guardiola no Manchester City e o "estreante" Cássio, chamado pela primeira vez nesta gestão.

Velho conhecido de Tite, se reencontra com quem possui relação de amizade e ao lado de quem foi campeão da Copa Libertadores, Mundial de Clubes e Brasileirão, sempre como protagonista. Com uma reviravolta pessoal, Cássio faz um 2017 irreparável e será observado em treinamentos na próxima convocação.

Ele não é o único novato a colocar pressão sobre Alisson. Tite e Taffarel gostam bastante do santista Vanderlei, em fase excepcional neste ano e que, segundo o Blog do Marcel Rizzo, deverá ser chamado para a seleção ainda em 2017

Por tudo isso, Alisson tem uma missão importante em mãos. Agora com mais minutos, se estabelecer na Roma, abafar a ascensão dos concorrentes na seleção e chegar à Rússia com uma reputação mais firme com a crítica. A titularidade no clube é um passo importante para isso. 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos