Ele tem contrato com Palmeiras até 2018. Mas quer ficar no Japão por "paz"

Lucas Pastore

Do UOL, em São Paulo

  • Divulgação

    Leandro comemora gol marcado pelo Kashima Antlers

    Leandro comemora gol marcado pelo Kashima Antlers

Curtir o bom momento no Japão faz Leandro pensar em seguir carreira no país. Destaque no Kashima Antlers, líder da liga local, o atacante emprestado pelo Palmeiras até o fim do ano tem contrato com o clube paulista até o fim de 2018, mas prioriza a permanência na nação asiática pela "paz" que encontrou no local.

Aos 24 anos de idade, Leandro tem sete gols e seis assistências em 21 jogos pelo clube. No sábado (26), fez o gol da vitória do Kashima Antlers por 1 a 0, sobre o vice-líder Cereko Osaka, fora de casa, e ajudou seu time a abrir cinco pontos na primeira colocação do Japonês, restando dez partidas para o fim. Com isso, entrou para a seleção da rodada pela segunda vez seguida.

"A gente fica feliz. Está tudo dando certo. O time é líder, e nosso time vem em uma crescente", disse Leandro, ao UOL Esporte.

A boa fase em campo, aliada à tranquilidade que tem em meio aos japoneses, faz com que Leandro se sinta em paz no país. O atacante relembra as vezes em que foi alvo da ira de torcedores no futebol brasileiro e coloca a tranquilidade como motivo para querer continuar na Ásia.

"Tenho o desejo de ficar um bom tempo aqui. Passei por muitos momentos no Brasil, e em todos os clubes em que joguei a torcida pegava muito no meu pé. Eu sempre era marcado. Quero um pouco de paz, e aqui não tem isso não. É totalmente diferente. Você sai do estádio e até a torcida adversária pede para tirar foto", relatou.

A entrevista foi concedida em que o Palmeiras atravessava momento de turbulência após eliminações da Copa do Brasil e da Libertadores. Mas Leandro, que também defendeu Grêmio, Santos e Coritiba no Brasil, deixa claro sua vontade de ficar no Japão não se trata de um recado ao clube.

"Todos os clubes do Brasil têm pressão, uns mais e outros menos. Claro que cada um tem suas determinadas circunstâncias, mas sem dúvida nenhuma a pressão é a mesma", declarou.

A tranquilidade fora de campo ajuda na boa fase de Leandro dentro dele. Com sequência dentro de campo, o jogador contou com o apoio do técnico Go Oiwa, contratado neste ano, para deslanchar e se tornar destaque do Kashima Antlers.

"O que me ajudou foi ter sequência. Sempre falei que jogador precisa disso. O treinador novo chegou e me deu sequência, o time encaixou e começou a dar tudo certo. Pode-se dizer que eu acompanhei o crescimento do time. Quando o time está bem, todos se destacam", afirmou.

A função que Leandro faz em campo reforça sua análise. Apesar das particularidades do futebol japonês, o atacante continua fazendo a mesma função em que se destacou no Brasil, jogando aberto pelos lados do campo.

"Acho que no futebol japonês os jogadores são muito obedientes, e o jogo é mais corrido. O que muda em relação ao Brasil é mais isso, mesmo. O jogo é mais cadenciado no Brasil", comparou Leandro.

"Aqui, não jogam com meias centralizados, jogam com dois atacantes e dois meias aberto pelos lados. Eu estou jogando aberto, na mesma posição em que jogava no Brasil", completou.

Neste domingo (3), o Kashima Antlers terá que lidar com a ausência de Leandro em jogo da Copa da Liga Japonesa. A equipe recebe o Vegalta Sendai pelas quartas de final da competição após derrota por 3 a 1 na ida, em partida em que o brasileiro foi expulso. 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos