Inglês trocou o futebol pela guerra e levou time inteiro junto sem pedir

Do UOL, em São Paulo

  • Boltonswar

    Time do Bolton lutou contra nazistas na Segunda Guerra Mundial

    Time do Bolton lutou contra nazistas na Segunda Guerra Mundial

Harry Goslin liderou seus companheiros de time não só em campos de futebol, mas também em campos de batalha. E não foi em batalhas quaisquer: o ex-zagueiro do Bolton Wanderers, da Inglaterra, lutou ao lado de outros jogadores na Segunda Guerra Mundial. Ele se alistou primeiro; quando percebeu, viu que o restante da equipe também estava disposto a lutar contra os nazistas.

Contratado em 1930 pelo Bolton, o então zagueiro foi se tornando aos poucos um líder natural da equipe, até que virou capitão seis anos depois. Então, em 1939, Goslin concluiu que o chamado para a guerra era uma questão de tempo e se antecipou.

Antes de uma partida contra o Sunderland no Burnden Park, diante de 23 mil torcedores, Goslin pegou um microfone e anunciou que havia decidido se alistar no exército. "Esse não é um assunto que podemos deixar para os outros, cada indivíduo tem uma tarefa a cumprir", declarou ele, segundo relatos da época.

As principais versões da história indicam que, depois da atitude de Goslin, os demais jogadores decidiram seguir seu capitão. Eles já falavam sobre o tema, mas o zagueiro não sabia que a adesão seria em massa.

Aquela geração do Bolton Wanderers, então, passou a se chamar Wartime Wanderers. Como se apresentaram ao exército no mesmo local, todos foram destinados aos mesmos locais de guerra e lutaram nas mesmas circunstâncias.

Wartime Wanderers, inclusive, virou um livro. E um de seus autores explicou assim a postura desses jogadores. "Era uma época em que os jogadores eram parte da comunidade, não estrelas. Eram ao mesmo tempo jogadores de futebol e cidadãos ingleses que queriam lutar por seu país", resumiu o escritor Tim Purcell.

Quando a Alemanha invadiu a Polônia, dando início à Segunda Guerra, o Campeonato Inglês foi paralisado. Disputas regionais, no entanto, continuaram, dando a chance para Goslin e outros jogadores de estarem no futebol enquanto não iam para os campos de batalha, o que aconteceu em 1940.

Eles lutaram primeiramente no norte da França, sendo resgatados pelo mar. Houve milhares de mortos do lado inglês, mas os jogadores do Bolton conseguiram voltar em segurança. Ficaram o restante de 1940 e todo 1941 em acampamentos militares na Inglaterra, onde puderam fazer alguns jogos pelo Bolton. Goslin chegou até a defender a seleção nacional.

No ano seguinte, os Wartime Wanderers voltaram para a guerra. Estiveram no norte da África e no Oriente Médio até seguirem para a Itália. Lá, aos 34 anos, Goslin aumentou as estatísticas dos mortos em guerra, não resistindo a estilhaços durante batalha em território italiano no fim de 1943.

Os demais jogadores, alguns feridos, voltaram para casa vivos, enquanto o capitão do Bolton, inspiração para muitos desses companheiros, perdeu a vida em um campo longe do futebol.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos