Fanático, ele noivou no meio de um jogo. Uma tragédia impediu o casamento

Felipe Pereira

Do UOL, em São Paulo

Desde que se entendeu por gente, a maior paixão de Guilherme foi o São José Esporte Clube. Por causa dele, escolheu a profissão: jornalista esportivo. O rapaz de 28 anos sequer torcia para outro time que não fosse o de São José dos Campos (SP). A outra devoção da vida era Karine. Como os amores não eram concorrentes, foi no estádio que ele chamava de "segunda casa" que a namorada virou noiva. A história foi interrompida na madrugada da última quinta-feira. Ele morreu atropelado enquanto ajudava um estranho. 

A pergunta que uniu Guilherme e Karine foi há dois meses. O jornalista pediu a namorada em casamento no intervalo de um jogo no dia 9 de julho. Karine falou que estava "nervosa e emocionada" quando disse sim. Guilherme comemorava porque "tinha de ser especial".

Não deu tempo do casal trocar alianças. Antes do branco das núpcias, surgiu o preto do luto. Guilherme Augusto Oliveira morreu num acidente de trânsito na madrugada de quinta-feira. Parou para ajudar um motociclista envolvido numa batida e foi atropelado. Os dois amores dele acabaram no asfalto.

São José dos Campos acordou numa mistura de raiva e comoção com o que aconteceu às 2h30. Clodoaldo Braz, chefe de Guilherme na Rádio Alternativa, conta que ele e outras pessoas auxiliavam o motociclista que havia sido atingido por um motorista num semáforo. A vítima foi encontrada sozinha, deitada sobre a faixa de pedestres, porque o motorista fugiu.

Juntou gente, mas ninguém mexia na vítima para evitar possíveis danos à coluna. Então houve pânico. Começou quando o grupo percebeu a aproximação de uma caminhonete Fiat Toro em alta velocidade. Quem estava no meio da rodinha, além do próprio motociclista, não teve tempo de correr - quatro pessoas morreram. Karine Camargo não vai ter o casamento que nasceu no campo do São José. 

Reprodução Facebook

Clube presta homenagem

A paixão de Guilherme pelo São José foi reconhecida pelo clube. A página da equipe no Facebook tem uma mensagem lamentando o atropelamento. Clodoaldo Braz diz que a relação com o time era tão forte que na última semana o funcionário pediu para não trabalhar. Tinha jogo decisivo e a derrota colocaria fim ao sonho de subir de divisão do Campeonato Paulista.

Guilherme quis ver a partida das arquibancadas. Ex-chefe da torcida organizada do time, viu do concreto, e não das tribunas de imprensa, a eliminação do São José. O patrão sabe que ele ficou muito bravo, lembra que era do tipo de torcedor que xinga e esbraveja.

Clodoaldo fala que Guilherme se enquadrava perfeitamente no perfil do torcedor fanático. Tinha tatuagem do São José, copos, camisas, bandeiras, quadros e muitas fotos no Estádio Martins Pereira. O clube era um estilo de vida. Trabalhar nos bastidores do time, conta o ex-chefe, enchia o jornalista de orgulho e satisfação.

Fabio Moraes é o homem que deu o primeiro emprego na imprensa. Sabia que estava contratando um apaixonado pelo São José porque quando Guilherme era criança já frequentava o estádio. Ele entende o amor. O clube é, segundo ele, a maior manifestação esportiva da cidade natal do funcionário.

Os companheiros de profissão contam que Guilherme estava numa fase muito feliz. Tinha noivado e começou a participar das mesas redondas da Rádio Alternativa. A vida, que dava certo no campo pessoal e profissional, acabou ao ajudar um desconhecido. É verdade que as coisas mudam, mas essa mudança em particular Clodoaldo não consegue entender.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos