"Era uma trave, não uma pilastra", diz Ramon sobre gol de braço de Jô

Bruno Braz

Do UOL, no Rio de Janeiro

  • Reprodução/Premiere

    Jô marca com o braço em Corinthians x Vasco

    Jô marca com o braço em Corinthians x Vasco

Dois dias após o polêmico gol de braço marcado por Jô, que deu a vitória ao Corinthians por 1 a 0 sobre o Vasco, o lateral esquerdo Ramon, que participou diretamente do lance, ainda comenta sobre o fato. O jogador questionou o argumento dado pelo presidente da Comissão de Arbitragem da CBF, Coronel Marinho, de que seria necessário um raio-x para que o árbitro adicional Eduardo Valadão (GO) enxergasse a infração.

"O vigia estava a um metro. Falaram que tinha que ter visão raio-x, mas era uma trave, não uma pilastra", ironizou.

Logo após o gol, Ramon perguntou ainda durante a partida para Jô se o atacante havia utilizado o braço. O corintiano, no momento, gesticulou que jogou seu peito sobre a bola. Nesta terça, porém, ele admitiu que cometeu a infração. O lateral esquerdo, porém, não quis crucificar seu companheiro de profissão.

"Não vim aqui para executar o Jô. Quem sou eu para julgar alguém? Mas eu estava perto e vi toda a jogada. O Jô não tem que chegar e falar que não foi gol. Imagina se faço isso aqui em São Januário. Responsabilidade é do árbitro. Perguntei para o Jô se tocou na mão, e ele fez aquele movimento de que havia tocado no peito. Foi um lance muito rápido. Em seguida o Carille me perguntou se bateu na mão, e eu disse que sim. Ele fez de cara de negativo, também estava em dúvida", disse.

Ramon tem a esperança de que a implementação dos árbitros de vídeo minimizem os erros dos homens do apito.

"São erros que acontecem, mas têm que ser revistos. O árbitro de vídeo vai entrar agora para que as coisas sejam mais justas", declarou.
 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos