Estrutura e estabilidade: armas do Londrina, rival do Galo na Primeira Liga

Napoleão de Almeida

Colaboração para o UOL

  • Roberto Custódio / Light Press

    Londrina eliminou o Cruzeiro na semifinal e impediu clássico mineiro na decisão

    Londrina eliminou o Cruzeiro na semifinal e impediu clássico mineiro na decisão

Se a Primeira Liga não comove muita gente Brasil afora, em Londrina a cidade de cerca de quase 600 mil habitantes (segunda maior do Paraná) vive a expectativa de um título interestadual contra um rival histórico, nesta quarta, 21h45 no Estádio do Café. O Atlético Mineiro faz parte do melhor momento da história do Tubarão, apelido do Londrina EC, que em 1977, no auge do filme de Steven Spielberg, foi semifinalista do Brasileirão e parou no próprio Galo, que seria vice-campeão daquela edição ao perder a final para o São Paulo.

São 40 anos desde aquele encontro e muita coisa aconteceu com o Londrina até essa decisão. Foi campeão da Taça de Prata (equivalente à segunda divisão nacional) em 1980 e ganhou três de seus quatro títulos estaduais (1981, 1992 e 2014), mas também mergulhou no ostracismo perdendo espaço nas divisões nacionais e até frequentou a segunda divisão do Paraná, num processo de quase falência. Quem mudou essa história foi o empresário Sérgio Malucelli.

Site Londrina EC
Sérgio Malucelli recolocou o Londrina no cenário nacional

Em 2011, Malucelli pegou a gestão do futebol do clube, que jogava a segundona paranaense. Subiu em âmbito local e nacional, até chegar à Série B do Brasil em 2016 e quase conquistar o acesso para o Brasileirão – foi sexto colocado a apenas três pontos do Bahia, quarto e último a subir. Malucelli é conhecido por ser amigo do atual técnico do Sport, Vanderlei Luxemburgo, e é também irmão de Marcos Malucelli, ex-presidente do Atlético-PR, e de Joel Malucelli, ex-presidente do Coritiba e dono do antigo Corinthians Paranaense. Sergio comanda também o Iraty, da segunda divisão local.

Com a chance de um título de projeção após eliminar o rival Paraná, Flamengo e Cruzeiro, entre outros, o Londrina tem como segredos dois pontos chaves de causar inveja em qualquer time grande: estrutura e estabilidade. Há 6 anos tem o mesmo técnico, Claudio Tencatti. Conta também com uma estrutura já usada pelo Flamengo, o CT da SM Sports em Londrina.

Sérgio Malucelli vê a final contra o Atlético-MG como a chance de ser falado em todo o Brasil. "Para o Londrina qualquer campeonato é importante. Desde que a gente entrou passou a ser importante. Estamos chegando a final invictos, em cinco jogos, 4 vitórias e um empate. É a volta do Londrina ao mercado", comentou.

A promessa é chegar à Série A nacional até 2021, quando completa 10 anos na gestão do clube. Malucelli crê que o Tubarão já está pronto para o desafio – ainda que a chance de acesso em 2017 seja remota. "A hora que entrar, vai estar bem preparado. Quando entrar na Série A vai ter que reforçar, mas a base é forte", comenta.

Divulgação/Londrina
Tencati é o técnico há mais tempo no comando de uma mesma equipe no Brasil: 6 anos

Na contramão de muitos dirigentes brasileiros, Malucelli segurou Claudio Tencati no comando técnico mesmo em momentos de crise, como na eliminação na Copa do Brasil deste ano para o Gurupi-TO quando a torcida tentou agredir jogadores no aeroporto. "Não tem acordo, é trabalho. Ele vem ganhando títulos, ele começou em 2010 comigo no Iraty. Foi campeão sub-18 e sub-20 no Paranaense. Em 2011 foi campeão da segunda divisão do Paraná, em 2014 da 1ª, subimos no Brasileiro da Série D, C e B e batendo na porta da A. E disputando mais um título da Primeira Liga. E três vezes campeões do interior e vice da Série C do Brasileiro. Não tem o que questionar", afirma.

Irmão de um desafeto de Mario Celso Petraglia, liderança do Atlético-PR, Sérgio Malucelli também alfinetou o que considera ser uma incoerência do atleticano e do rival Coritiba, que deixaram a Primeira Liga, o que acabou abrindo vaga ao Londrina. "O que o Atlético e o Coritiba sofreram na Primeira Liga é o que nós sofremos com eles no Paranaense. A mesma coisa. Não podem nem reclamar", diz, para ainda comentar sobre as mazelas do Estadual: "A Primeira Liga foi bem melhor que o Estadual. A cota do Paranaense é muito baixa. Tanto na parte financeira como na divulgação."

Campeão ou não, o Londrina espera ficar na Primeira Liga como forma de conviver entre grandes até que consiga o acesso. Diante do mistério sobre a continuidade da própria competição em 2018, Malucelli aguarda. "Se houver (nova edição) e formos convidados, seguiremos. Continuar ou não depende deles. Disputar o título já mostra condições", argumenta, esperando por casa cheia diante do Galo no Estádio do Café. 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos