Empate faz argentinos saírem da Bombonera emburrados e sem querer papo

Felipe Pereira

DO UOL, em Buenos Aires

  • Alejandro Pagni/AFP

    Messi lamenta durante jogo entre Argentina e Peru nas Eliminatórias

    Messi lamenta durante jogo entre Argentina e Peru nas Eliminatórias

O torcedor argentino saiu da Bombonera com a cara amarrada. Nada de foto no celular, ou parada para cerveja, eles mal conversavam entre si. Consequência de um 0 a 0 contra o Peru, resultado que deixou a participação na Copa da Rússia ainda mais em risco. "Estou de mau humor para falar. Gosto muito de futebol e nunca vi uma Copa sem a Argentina", ralhava Rojo Castro, 48 anos.

E torcedor insatisfeito é aquela coisa, sobrou para todo mundo: Messi, Sampaoli, Dí Maria e até para a sorte. No caso, a falta dela. Rojo avalia que a Argentina dominou, criou quatro grandes chances, mas a bola não entrou. Ele acredita em vitória no jogo contra o Equador na próxima rodada, o que garante o quinto lugar e pelo menos vaga a repescagem.

Só que a metade da tabela não é algo que considere digno do futebol duas vezes campeão mundial. Mas o torcedor sabia como relaxar em casa. "Vou tomar um uísque antes de deitar".

O sentimento dele era contraste total com Homer Osorio, peruano de 28 anos que tentava descobrir por onde o ônibus da seleção sairia. "Ganhamos de 0 a 0", repetia. Ele prevê uma decisão 'aguerrida' contra a Colômbia na próxima rodada e acredita que pode ver o país numa Copa pela primeira vez na vida – o time não se classifica há desde o Mundial da Espanha em 1982.

Victor R. Caivano/AP

Torcedor decepcionado com Messi

Como acontece com certa frequência, os argentinos não saíram satisfeitos com o futebol de Messi. Daniel Ledesma, 45 anos, disse que houve muita posse de bola e pouca objetividade. "É muito toque lateral e pouca contundência. Fica com a bola no pé e não cria nada".

Se estava unida na cara amarrada, a torcida argentina se dividia sobre o futuro da seleção. Parte acredita que estarão na Rússia em 2018 e outros blasfemam enquanto xingam o treinador e os jogadores. Messi é o principal alvo, o que não é novidade.

"Ele não esteve à altura da responsabilidade. Com ele jogando assim contra o Equador estamos com muitos problemas", reclamava Marcelo Constanzo, 61 anos.

Apesar da frustração, os torcedores não descontaram na violência. Até houve quem jogasse copos cheios das arquibancadas em direção à rua. Mas nada de brigas e discussões. Era como se houvesse a solidariedade na preocupação proibisse levantar a voz.

Aizar Raldes/AFP

Confiança no Brasil

Classificado com folga, o Brasil pega o Chile para cumprir tabela. Mas o jogo vale muito para os argentinos que podem garantir vaga sem passar pela repescagem se fizerem sua parte e contarem com uma vitória do time de Tite. E os torcedores consideram provável que os brasileiros vençam.

Citam a boa fase de Neymar e a química de Tite com os jogadores para justificar o otimismo. Não enxergam possibilidade da seleção fazer corpo mole para prejudicar o rival. "O Brasil está jogando como nos seus tempos de glória. Além disso, Neymar é amigo de Messi", conta Rojo Castro.

Mas ele emenda que o problema é a Argentina bater o Equador. Soa estranho, mas tem argentino acreditando mais no Brasil do que na própria seleção.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos