Oposição do Vasco descarta chapa única e dois candidatos guardam anúncio

Bruno Braz e Vinicius Castro

Do UOL, no Rio de Janeiro

  • Paulo Fernandes/Vasco.com.br

    Eurico Miranda deverá ter a concorrência de mais de um candidato no Vasco

    Eurico Miranda deverá ter a concorrência de mais de um candidato no Vasco

A tão sonhada chapa única de oposição no Vasco não acontecerá, pelo menos é o que garantem alguns dos membros dos grupos políticos opositores. Com claras divergências ideológicas, a junção entre o médico Alexandre Campello, o empresário Fernando Horta e o executivo Julio Brant já é algo considerado descartado. Campello e Brant, porém, fazem mistério e guardam o anúncio de uma união para os "47 minutos do segundo tempo".

A dupla, juntamente com seus correligionários, já teve uma primeira reunião onde pôde amarrar as ideias e os projetos. Brant tem passado os últimos dias a trabalho no exterior e a tendência é a de que um novo encontro ocorra quando retornar. Já há um consenso, porém, que a oficialização da junção das chapas seja noticiada faltando poucos dias para a eleição do clube, que acontecerá dia 7 de novembro.

O conformismo pela não-viabilidade da formação de uma candidatura única já é admitido abertamente por pessoas envolvidas diretamente no pleito, como o presidente do Conselho Fiscal, Otto Carvalho, que chegou a se lançar como candidato, mas abriu mão da disputa para apoiar Fernando Horta.

"A chapa única de oposição não vai acontecer. Há uma dificuldade deles (candidatos de oposição) se juntarem. Infelizmente o que o associado tem que fazer é ser mais vigilante e realmente apostar em quem tem mais chances. Eu não estou numa de tirar o Eurico, mas de mudar o modelo de gestão, alavancar o clube e matá-lo politicamente. Como? No conselho (Deliberativo). E isso só eu e Horta temos condições e influência", declarou Otto, que em seguida minimizou o poder de persuasão de Campello e Brant entre os conselheiros do clube:

"O Campello, por exemplo, nunca foi conselheiro. O Brant caiu de paraquedas em 2014. E vou te dizer que cheguei a falar para ele que ele era para ser o cara desta eleição de agora. Tinha possibilidade, sabe se vender, mas teve uma atuação pífia na liderança dos conselheiros de oposição que indicou (de acordo com o estatuto do Vasco, o segundo colocado pode indicar 30 cadeiras). Dos 30 que indicou, somente uns quatro estão com ele agora. Se ele não liderou 30 conselheiros, como vai liderar o clube?".

Provando que o clima entre eles deixa poucas esperanças de uma chapa única, Julio Brant alfinetou a união entre Horta e Otto.

"É a famosa chapa dois. Todos juntos com o Eurico para fechar e repartir o Vasco entre eles. É uma chapa que nasce da mesma raiz, da mesma diretoria. O Horta ainda é vice-presidente do clube. É a manutenção no poder dos que rebaixaram o Vasco. Para o bem do nosso clube, temos que lutar contra isso. Somos oposição ao modelo de gestão que vem sendo praticado no Vasco nos últimos 20 anos e que trouxe o clube até o desastre que vemos hoje", disse o candidato da "Sempre Vasco", se referindo ao fato de Horta e Otto terem feito parte da atual administração de Eurico Miranda.

Ao Extra, Alexandre Campello também se mostrou desacreditado com uma chapa única, mas despistou sobre a junção com Brant próximo a eleição:

""Nada evoluiu. A tendência é termos quatro chapas". Neste sábado, Fernando Horta lançará oficialmente sua candidatura num clube na Barra da Tijuca (RJ) às 15h. 

 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos