Dinheiro é solução? EUA e China investiram muito, mas ficaram fora da Copa

Do UOL, em São Paulo

  • Ashley Allen/Getty Images

A falha dos Estados Unidos em conseguir uma vaga na Copa do Mundo de 2018 caiu como um balde de água fria em uma país que ainda tenta estruturar e atrair alguma relevância para sua liga. Um dia após a derrota vexatória para Trinidad & Tobago, a estrutura do futebol foi alvo de críticas na imprensa norte-americana.

"Tem que mudar tudo de cima a baixo. Se você não mudar depois disso, então qual é o ponto?", questionou o ex-atacante Taylor Twellman, em participação na "ESPN" dos Estados Unidos.

"A definição de insanidade é fazer a mesma coisa várias e várias vezes sem nenhum resultado. Você precisa mudar as coisas. Essa discussão precisa acontecer. Não é que mudará do dia para noite, mas é preciso ser discutido. Quantos desses tiveram uma grande pressão? Daqui a dois dias, estarão falando sobre isso? Não, porque acabou. Os jogadores americanos não estão preparados para pressão de verdade. É isso que precisa ser criado. Em outro caso, o que realmente estamos fazendo?", continuou.

As críticas de Twellman vão de encontro com os investimentos feitos pela MLS e o pouco – ou nenhum – retorno alcançado até o momento. Nos últimos anos, nomes como David Beckham, Thierry Henry, Andre Pirlo e Kaká foram contratados pelos times norte-americanos.

Apesar do recente título da Copa Ouro, o desenvolvimento de atletas do próprio país ainda é visto como preocupação nos Estados Unidos. No início do ano, a Liga decidiu obrigar que uma parte dos recursos dos clubes fossem destinadas para a contratação de jogadores do próprio país, com salários mínimos de US$ 53 mil.

"A evolução do futebol nos Estados Unidos tem sido contínua por mais de 25 anos. Os homens jogaram sete Copas do Mundo consecutivas. As mulheres foram campeãs mundiais três vezes. A liga nacional tem estabilidade financeira. A base de fãs aumentou de 59 milhões para 79 milhões entre 2010 e 2016. Adolescentes começaram a tratar o futebol como seu esporte favorito. E, agora, essa curva ascendente foi interrompida (com a não classificação para a Copa)", pontuou o New York Times em artigo publicado nesta quarta-feira.

A situação dos Estados Unidos nas Eliminatórias para a Copa do Mundo fica ainda mais feia quando comparada com Panamá e Honduras. Com investimento muito menor, a primeira conseguiu vaga direta para o Mundial, enquanto a segunda irá para a repescagem.

China vive situação semelhante

AFP PHOTO / KARIM JAAFAR

Em uma estratégia feroz para conseguir evoluir o futebol local, a China passou a investir pesado no futebol. Nos últimos anos, nomes fortes do esporte foram contratados por clubes chineses com salários muito acima do mercado.

Apenas para ficar entre os brasileiros, o Shanghai SIPG desembolsou 55 milhões de euros (R$ 207 milhões) para tirar Hulk do Zenit. O mesmo clube pagou 60 milhões de euros (R$ 212 milhões na cotação da época) para contratar o meia Oscar, que estava no Chelsea.

O alto investimento, contudo, não se transformava em uma evolução real no futebol chinês. Por causa disso, novas regras foram definidas para frear as contratações milionárias e tentar desenvolver os jogadores nacionais.

Agora, além de um teto de gastos, os clubes precisarão pagar um imposto de 100% sobre as contratações estrangeiras realizadas. Além disso, as equipes com dívidas são obrigadas a igualar os gastos em jogadores estrangeiros com um investimento em um fundo para a formação de jogadores locais. A medida faz com que as contratações internacionais custem o dobro do preço, já que todos os 16 clubes da primeira divisão apresentam prejuízos em seus balanços.

A mudança ainda não trouxe efeito para o futebol da seleção chinesa. Pela quarta vez consecutiva, o país ficou fora de uma Copa do Mundo. A China terminou apenas na quinta colocação do Grupo 1 das Eliminatórias da Ásia, atrás de seleções como a Síria e Uzbequistão.

Ligas recheadas com brasileiros também fracassam

Os investimentos são menores do que as duas últimas citadas, mas Ucrânia e Emirados Árabes também falharam em sua missão de conseguir uma vaga na Copa. O país asiático, recheado de brasileiros em sua Liga, nem chega a ser uma surpresa não participar da Copa – com uma seleção modesta, terminou apenas em quarto no Grupo 2 das Eliminatórias.

A Ucrânia, contudo, ficou fora em um grupo que teve a Islândia como primeira colocada e classificada direta para a Copa do Mundo. Terra do Shakhtar Donetsk, clube tradicionalmente composto por diversos brasileiros, os ucranianos não conseguiram nem sequer uma vaga na repescagem europeia.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos