Como ex-astro do futebol europeu resolveu investir em clube capixaba

Lucas Pastore

Do UOL, em São Paulo

Por meio de sua empresa 12M, Frédéric Kanouté decidiu investir no mercado do futebol brasileiro. O ex-astro do futebol europeu, que jogou como atacante por Lyon, West Ham, Tottenham e Sevilla, vem ao país em novembro para acompanhar de perto o desenvolvimento do Porto Vitória, clube capixaba do qual é parceiro.

O Porto Vitória foi fundado em outubro de 2014 por Vinícius Coelho, que até hoje preside o clube. Oriundo de uma família de empresários, o dirigente resolveu aliar sua expertise como gestor e sua paixão por esportes para lançar o projeto.

"Sempre trabalhei com a família, que tem um grupo de empresas. Somos em três irmãos, e eu sou o caçula. Eu fui o único que na juventude fiz todo tipo de esporte possível. O que mais levei a sério foi o basquete. Joguei em alto nível na base. Fiquei uns seis anos nisso. Então, sempre fui ligado ao esporte", contou Coelho, ao UOL Esporte.

"Me formei em marketing e fiquei um tempo com uma empresa de publicidade. Mas sempre senti um incômodo, e decidi ir morar em Londres com a minha esposa. Depois, trabalhei em uma empresa de saúde, mas não tem nada a ver comigo. Foi quando meu pai leu que a Fifa queria proibir que empresários tivessem a posse de jogadores e quis abrir um clube. Falei 'deixa comigo'. Hoje, já tem três anos", completou.

Para levar o projeto adiante, Coelho resolveu investir em sua preparação. O presidente fez cursos na Trevisan e na Universidade do Futebol, aproveitando a oportunidade para se relacionar no meio. Tudo para angariar conhecimento para a gestão do clube, que hoje trabalha com categorias de base e ainda se estrutura antes de levar uma equipe profissional.

Hoje, os garotos do Porto Vitória têm à disposição psicólogo, odontologista, nutricionista e médico, além de um centro de treinamento com três campos.

"Isso chamou a atenção do Kanouté. Claro que foi por intermédio de uma pessoa que me conhecia. Foram dois anos de conversas. Temos um canal no YouTube com todos os nossos jogos, e eu mandava os vídeos para ele. Até que, ano passado, ele levou um atleta nosso para o Genk e o Málaga. Hoje, esse atleta está no sub-20 da Ponte Preta, se chama Érik Rocha. Ele começou a gostar, e hoje está agenciando um atleta nosso", contou Coelho.

O intermediário que apresentou Kanouté ao Porto Vitória é Eduardo Ramos, capixaba que mora em Dubai, onde o ex-atacante tem residência, há sete anos. Os três têm em comum suas ligações profissionais com o futebol.

"O presidente do Porto Vitória é um amigo próximo dele. Acontece que o Porto Vitória tem a mesma filosofia que eu tenho de desenvolver jogadores jovens. A 12M está trabalhando no desenvolvimento de jovens com algumas academias de elite na África. Então, decidimos conhecer o Porto Vitória e discutir uma parceria com eles. Percebi que Vinícius e seus colegas já fazem um trabalho incrível e profissional, o que me deu mais vontade de acertar a parceria. Ali, começava uma parceria frutífera", disse Kanouté, também ao UOL Esporte.

O Porto Vitória é o terceiro clube em que Kanouté investe, o primeiro fora da África.

"Temos um em Mali e um na Zâmbia, dois que já viram vários jogadores começarem uma carreira profissional na Europa e jogarem por suas seleções profissionais", revelou o malinês.

Parceria com brasileiros

AFP/Cristina Quicler
Kanouté comemora gol do Sevilla com Diego Capel, Adriano e Luis Fabiano

Kanouté se destacou no Sevilla entre 2005 e 2012, quando dividiu o vestiário com inúmeros brasileiros, como Daniel Alves, Adriano, Renato e Luís Fabiano. De acordo com o ex-atacante, a parceria aumentou sua vontade de investir em clubes do país, assim como as semelhanças com o povo africano.

"Fui sortudo o bastante para jogar junto com esses brasileiros supertalentosos, o que certamente influenciou minha decisão de algum modo. Além disso, o Brasil me lembra a África na incrível quantidade de talentos crus que você acha e na paixão por futebol. Então, pensei que era uma extensão lógica do que estamos fazendo na África", revelou o malinês.

De acordo com Coelho, Kanouté é um parceiro importante para o futuro do clube, que já almeja o lançamento de uma equipe profissional.

"Está desenvolvendo um projeto para alavancarmos o clube. Vai estar no Bahrein falando sobre investimento para o CT, para a equipe sub-20 e para o profissional", revelou o dirigente, que teceu elogios ao parceiro.

"Ele é uma pessoa que, para ser sincero, não conhecia bem. Fiquei fã. É muito tranquilo, calmo, estilo Kaká, Leonardo. Fala cinco línguas, é polido. Respeita demais as pessoas. Para, conversa, bate papo, tira foto. É um cara bem maleável mesmo. Diferenciado", exaltou.

Metas ousadas

Reprodução/Facebook/portovitoriafc
Sub-17 do Porto Vitória comemora o título do Capixaba da categoria

Em apenas três anos, o Porto Vitória já bateu a primeira meta de sua criação: colocar jogadores nas categorias de base de cinco clubes da elite do futebol brasileiro. Agora, os objetivos são ainda mais ousados: ter um jogador convocado para uma seleção brasileira e criar um time profissional.

"Nossa meta é, claro, construir o profissional. Queremos também ter jogador em seleção brasileira em dois anos. Precisamos investir, e com acesso às competições nacionais é mais fácil. A ideia é ter um time profissional com base sub-23. Claro que você pode ter uma espinha dorsal com atletas mais experientes", disse Coelho.

De acordo com o presidente do clube, o fácil acesso a competições nacionais pela falta de concorrência de elite no Espírito Santo pode servir como atalho para o Porto Vitória.

"Temos acesso para a Série D e para a Copa Verde. Não é um objetivo inalcançável. Ainda tem vaga para a Copa do Brasil. São quatro vagas. Dá para conquistar com uma certa tranquilidade. Sem falar que o sub-20 tem duas vagas para a Copa São Paulo", projetou. 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos