Justiça multa Neymar e empresas da família em R$ 3,8 milhões

Bruno Thadeu

Do UOL, em São Paulo

  • AFP PHOTO / FRANCK FIFE

    Multa foi aplicada por intenção da defesa de Neymar em arrastar o processo, diz desembargador

    Multa foi aplicada por intenção da defesa de Neymar em arrastar o processo, diz desembargador

O atacante Neymar e as empresas da família do jogador foram multados em R$ 3,8 milhões. O processo, em 2ª instância, foi julgado pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região. O valor corresponde a 2% do valor dos bens bloqueados inicialmente (R$ 188,8 milhões), em 2015, mais as correções desde então (subindo para R$ 198 milhões).

A Justiça aplicou a multa por entender que a defesa do atleta agiu intencionalmente no sentido de protelar a decisão. Durante o processo, os advogados de Neymar entraram com pedidos de embargos de declaração, rejeitados pela Justiça. Cabe recurso a Neymar e família. 

"Cominada multa de 2% do valor atualizado da causa aos embargantes, em razão do caráter manifestamente protelatório do recurso manejado", concluiu o desembargador federal Carlos Muta.

O bloqueio dos bens de Neymar e sua família atendeu a requerimento da Procuradoria da Fazenda Nacional, que acusou o atleta e parentes de terem deixado de pagar os valores devidos de impostos durante os anos de 2011 e 2013.

Ao UOL Esporte, a assessoria de comunicação das empresas de Neymar informou que entrará em contato com o jurídico para comentar a decisão do TRF-3.

Entenda o caso

A Receita alega que Neymar deixou de pagar R$ 63,6 milhões devidos ao fisco. Entre outros fatos, é apontada omissão de rendimentos de fontes do exterior com publicidade e "omissão de rendimentos oriundos de vínculo empregatício pagos pelo Barcelona".

Esse dinheiro, na verdade, foi recebido pelas empresas N& N Consultoria Esportiva e Empresarial e Neymar Sports a título de direito de imagem do jogador. Mas a Fazenda Nacional alega que tais rendimentos deveriam ter sido pagos como salário, o que teria acarretado uma tributação maior.

O valor atingiu R$ 188 milhões (e agora, corrigido para R$ 198 milhões) por conta de uma multa de 150% sobre o total devido para a Receita. Isso ocorre quando há suspeita de existência de dolo, fraude e simulação de operações para tentar enganar o Fisco.

Entre as propriedades citadas estão o jatinho e o iate que o atacante do PSG possui, além de imóveis nas cidades de Guarujá, Santos, Praia Grande, São Vicente, São Paulo e Itapema (Santa Catarina).

Ao longo do processo, Neymar e seus advogados negaram qualquer irregularidade, afirmando que tudo não passou de planejamento tributário feito dentro das normas fiscais vigentes nos dois países.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos