Valentim consagrou Oseás e já foi "melhor do Brasil", mas sofreu na Itália

Napoleão de Almeida

Colaboração para o UOL

  • Daniel Vorley/AGIF

    Alberto Valentim antes do jogo contra o Cruzeiro; hoje técnico, ele brilhou na lateral

    Alberto Valentim antes do jogo contra o Cruzeiro; hoje técnico, ele brilhou na lateral

Alberto Valentim é o nome da moda no futebol brasileiro. Assumiu o Palmeiras e, quatro jogos e dez pontos depois, reduziu a vantagem para o líder Corinthians de 14 para cinco pontos, podendo chegar a dois se vencer o rival no dérbi de domingo, 17h em Itaquera.

Nem todos se lembram, mas esse não é o primeiro grande momento de Alberto no futebol brasileiro. Melhor lateral do Brasileirão pelo Atlético Paranaense há mais de 20 anos, quando consagrou Paulo Rink e outro ídolo do Palmeiras, Oséas, o jogador foi pivô de uma obscura negociação que o levou para a Itália, onde defendeu a Udinese. Lá, viveu um drama com uma suspensão por uso de passaporte falso, mas acabou fazendo uma carreira sólida que o rendeu o rótulo de "Série A", como ele costuma ser chamado dentro do Palmeiras.

Um Furacão pela direita

Arquivo Folha
Alberto Valentim nos tempos de jogador; eleito melhor do Brasil, foi jogar na Itália

Em 1996 o Atlético Paranaense voltava à primeira divisão do Brasileirão com um time avassalador, campeão da B em 95 e que viria a derrubar a invencibilidade do Palmeiras de Luxemburgo, contando com Paulo Rink e Oséas, dupla sensação no ataque. Quase que invisível, pela direita, um lateral consagrava os artilheiros com cruzamentos perfeitos.

"Dispensa comentários o Alberto batendo na bola. Quem ficava feliz eram Oseinha da Bahia e Paulo Rink, ele já chegava cruzando e nós só colocávamos para dentro", disse, rindo com as lembranças, o ex-atacante Oséas, campeão da Libertadores com a camisa verde. "Fico feliz pelo trabalho que Alberto vem fazendo. Quando jogávamos juntos no Atlético eu não fazia nem ideia da qualidade que ele teria como treinador. É uma pessoa de grupo, extrovertida, de bom caráter", conta o artilheiro das trancinhas, que hoje mora em Salvador e administra seus imóveis como fonte de renda.

"Ele chegava no vestiário nos treinamentos com aquela alegria, contagiando o grupo, brincando. A gente tinha um grupo muito forte", relembra sobre o time que acabou a primeira fase em 4º lugar e foi eliminado nas quartas pelo Atlético-MG. Sem o título nacional, Alberto ao menos pôde comemorar outra honraria: foi escolhido o melhor lateral-direito do Brasil na Bola de Prata da Revista Placar, o que despertou os olhos da Europa para ele.

Negociação estranha lesou Atlético em US$ 5 milhões

No fim de 1999, após ajudar o Atlético a ganhar a Seletiva da Libertadores, os jornais já noticiavam o interesse da Udinese em levar o lateral atleticano, que havia rodado por empréstimo por São Paulo, Flamengo e fez parte do quarteto que reforçou o Cruzeiro apenas para a decisão do Interclubes contra o Borussia Dortmund em 97, ao lado do zagueiro Gonçalves e dos atacantes Bebeto e Donizete "Pantera". Mario Celso Petraglia, atual presidente do Conselho Deliberativo do Atlético, comandava o clube na ocasião, ao lado de Ademir Adur e Nelson Fanaya, e havia trazido da Inter de Limeira o lateral revelado no Guarani e hoje técnico do Palmeiras.

Reprodução
Detalhe do contrato que cedeu Valentim do Atlético-PR ao Rentistas, do Uruguai

Em 10 de dezembro de 99 o Atlético vendeu o então lateral-direito Alberto para o Rentistas, do Uruguai, clube ligado ao empresário Juan Figer, por US$ 1,5 milhões (veja o documento, que só recebeu o carimbo da Associação Uruguaia de Futebol em 12 de janeiro de 2000).

Apenas 19 dias depois, em 29 de dezembro de 1999, o Rentistas vendeu Alberto à Udinese por US$ 6,650 milhões, uma diferença de US$ 5,1 milhões de dólares nos cofres atleticanos. A negociação só foi descoberta mais de uma década depois. O jornal paranaense Gazeta do Povo publicou a denúncia em 2011 e foi processado por Petraglia, que perdeu na Justiça. O clube, porém, nada fez contra o dirigente, que alegou ser responsabilidade da diretoria financeira. A comissão de ética do Atlético ignorou o caso.

Alberto voltaria ao clube em 2008 para encerrar a carreira e, em 2012, foi contratado por Petraglia para ser o assessor da presidência para o futebol. Saiu ao fim de 2013, estremecido com o dirigente após a perda da Copa do Brasil para o Flamengo. Entretanto, eles mantiveram laços. A amigos próximos, Alberto confidenciou que esperava uma chance de assumir o time quando da saída de Eduardo Baptista, outro ex-Palmeiras. Quis o destino que fosse no próprio Palmeiras a retomada como técnico.

Escândalo do Passaportopoli e proximidade com Spalletti

Na Itália, Alberto trabalhou com nomes importantes do futebol mundial, como Roy Hodgson, inglês que dirigiu a seleção da Inglaterra na Copa 2014. Lá também pegou para si o rótulo de "Serie A", em referência aos 10 anos na elite italiana, incluindo a passagem pelo Siena. Pela Udinese, um quarto lugar no Italiano que rendeu vaga a Champions League.

Um dos principais treinadores que trabalharam com Alberto em Udine foi Luciano Spalletti. Com ele foram três temporadas, a mais importante a de 2003-04, quando fez 22 jogos e passou a jogar também no meio. Porém, na temporada seguinte, Alberto perdeu espaço e não atuou pela Champions. Entrou em campo já na Liga Europa, após a eliminação na fase de grupos, quando marcou o gol da vitória sobre o Panionios, da Grécia, no jogo de volta, o que não foi suficiente para devolver os 1 a 3 da ida. Acabaria emprestado ao Siena.

"Spalletti foi um treinador muito importante para Alberto. Aqui estamos todos convencidos de que ele não conseguiu expressar o seu todo potencial. No começo, ele fez esforço na área defensiva, então com o tempo ficou um pouco melhor", contou Massimo Meroi, jornalista do Messagero Veneto, diário de Udine.

Petrussi/Messagero Veneto
Alberto, sem camisa, cumprimenta Spalletti em jogo pela Udinese nos anos 2000

Já em 2017, após comandar o Red Bull no Paulistão (foi o 13º no geral), viajou à Roma para passar alguns dias acompanhando Spalletti no comando da Loba – atualmente, ele comanda a Internazionale. O "estágio" na Itália rende elogios no Palmeiras, bem como a categoria ao bater na bola, que lhe dão o rótulo de "Série A". Mas nem tudo foram flores na Itália; no caminho, um escândalo que envolveu vários jogadores sul-americanos.

Ao lado do também ex-atleticano Warley, e dos mais conhecidos Dedé, Dida, o argentino Verón e o uruguaio Recoba, Alberto foi denunciado pela Federação Italiana pelo uso de um passaporte português falso. Depois de se apresentar com um passaporte brasileiro, a Udinese tentou registrá-lo como comunitário usando um documento português, o que caiu no Bureau de Investigação Italiano.

Em uma viagem a Varsóvia, na Polônia, para um jogo da Copa UEFA em 13 de setembro de 2000, ele e Warley foram barrados na imigração. Alberto foi chamado a depor e alegou desconhecer a jogada feita pelo clube e pelo empresário. As investigações chegaram a 14 jogadores de diversas equipes, todos denunciados e julgados pelo uso dos passaportes.

Alberto pegou um ano de suspensão, reduzida para três meses e meio nas negociações. Foi titular no último jogo da temporada 00/01, diante do Napoli, em 26 de maio de 2001, e só voltaria a atuar em 13 de abril de 2002, contra o Hellas Verona. Perdeu espaço entre os titulares e só se recuperou na temporada seguinte. Ao todo foram 171 jogos na Itália, com quatro gols marcados, todos pela Udinese, que pagou 1,6 milhões de libras de multa pelo escândalo.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos