Conmebol rompe vínculos que ainda tinha com empresa que pagou propina

Do UOL, em São Paulo

  • Henry Romero/Reuters

    O economista paraguaio Alejandro Domínguez é o atual presidente da Conmebol

    O economista paraguaio Alejandro Domínguez é o atual presidente da Conmebol

A Conmebol já havia rescindido parte do contrato que tinha com a Datisa em 2015, mas, nesta quinta-feira (9), rompeu de vez todos os vínculos que ainda ligavam a empresa uruguaia às edições da Copa América de 2019 e 2023.

"A Conmebol enviou notificação à Datisa sobre sua decisão de rescindir o contrato de aquisição das próximas edições da Copa América, que havia sido firmado em 2013, devido aos atos de corrupção que sacudiram o futebol internacional em maio de 2015 e dos quais a Conmebol foi vítima", diz a nota oficial publicada pela entidade.

Vale ressaltar que o relatório elaborado na investigação aponta que a Datisa foi criada apenas quatro dias antes de ser contratada pela Conmebol para a realização de diversas edições da Copa América, como a de 2016, que comemorou os 100 anos de história do torneio e foi sediada pelos Estados Unidos.

O texto ainda ressalta que a decisão ocorre em um momento em que o Departamento de Justiça dos Estados Unidos concluiu esta etapa da investigação, na qual vários membros da diretoria da Datisa foram considerados culpados por corrupção no repasse de direitos de transmissão e patrocínios.

"Desde que assumi como presidente, a nova Conmebol vem tomando uma série de ações legais para romper vínculos velhos e começar uma nova era de comercialização aberta, profissional e capaz de valorizar o futebol sul-americano", declarou o presidente Alejandro Domínguez.

O mandatário ainda acrescenta que a Conmebol passou mais de um ano exigindo que a Datisa devolvesse os direitos de patrocínio e transmissão que foram adquiridos no processo corruptivo.

Relembre o caso

As investigações conduzidas nos Estados Unidos mostraram que o ex-presidente da CBF, José Maria Marin, e um grupo de dirigentes das Américas teriam concordado em dividir 110 milhões de dólares (na época, R$ 350 milhões) em propinas pela exclusividade dos direitos de transmissão das edições de 2015, 2019 e 2023 da Copa América e da Copa América Centenário, de 2016.

Dentre os sócios da Datisa, estavam nomes cmoo José Hawilla, dono da Traffic, e os argentinos Alejandro Burzaco, Hugo Jinkis e Mariano Jinkis. Todos são sócios de empresas de marketing esportivo e, em condições normais, seriam concorrentes da empresa pelos direitos.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos