Deyverson revela choro por pressão e detona violência em protesto

Do UOL, em São Paulo

  • ALE CABRAL/AGIF

    Deyverson pula nos ombros de Keno após gol do Palmeiras sobre o Flamengo

    Deyverson pula nos ombros de Keno após gol do Palmeiras sobre o Flamengo

Deyverson revelou que chegou até a cair no choro por causa da pressão que tem sofrido no dia a dia do Palmeiras. Em entrevista coletiva nesta segunda-feira, um dia após fazer os dois gols da vitória contra o Flamengo, o atacante disse ter vivido momentos difíceis com as cobranças. 

O jogador ainda falou forte contra a violência dos torcedores no protesto do último domingo e revelou que o fotógrafo do time quase ficou cego por causa de um estilhaço.

"Se disser que não fiquei triste e até chorei... Todo homem tem seu lado frágil. Chorei. São cobranças fortes que você vê. O torcedor tem o seu direito de cobrar, falar o que quiser. Não entro em polêmica. Somos de carne e osso, temos família. O que não admito é agressão. Tenho família, eles também. Respeito cobrança, mas não toca a mão em mim. Não gostariam que tocasse a mão no filho dele. Respeito é a melhor coisa. Pode xingar, falar, vai entrar em um ouvido e sair no outro. Estamos aqui para ouvir elogios e críticas, faz parte", afirmou.

"É normal a cobrança da torcida, eu só acho que não é normal passar dos limites. Teve uma cena que chateou. Uma pedra quebrou o vidro e um pedaço do vidro bateu no Jailson, no Keno e na nutricionista. Uma que quase cegou o fotógrafo nosso. Somos seres humanos como todos. Enfim, eu acho que a cobrança da torcida é normal. Todo clube passa por isso, mas sem violência", completou.

Em momento um pouco mais íntimo e aliviado pela vitória, Deyverson aproveitou o momento até para revelar que vivia problemas no relacionamento com a sua mulher.

O atacante afirmou que os dois gols no Allianz Parque no último domingo foram ainda mais especiais justamente por ela e por outros familiares estarem nas arquibancadas do estádio. 

"Passei momentos difíceis. Tenho um ano de casado e nove anos de namoro com ela. Mas agora já está tudo bem. Antes de vir aqui, a gente conversou, relembramos os momentos bons que a gente teve. Porque no começo é tudo muito bom, mil flores e depois tudo que é bom e você conhece bem e vive as dificuldades. Nós vivemos cinco anos na Europa e minha mãe sempre falava que morar junto é diferente, não é a mesma coisa que morar na mesma rua e comer com a mãe de sábado e domingo. É diferente viver separado. Mora junto é outro patamar. A gente está bem porque nosso casamento está blindado por Deus. Briga vai acontecer, mas agora com mais experiência".

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos