Kempes diz que não tinha noção da ditadura e que nunca jogou por militares

Do UOL, em São Paulo

  • Clive Mason/Getty Images

A Copa do Mundo de 1978, sediada pela Argentina, ainda levanta muita discussão sobre o título conquistado pelos anfitriões. Nesta segunda-feira (13), o ex-atacante Mario Kempes afirmou que não tinha consciência da magnitude da ditadura que assolava o país.

"Nós não tínhamos nem ideia da gravidade do que estava acontecendo", disse o ídolo argentino ao jornal Página/12. "Os meus gols não eram para o Videla [Jorge Videla, ex-ditador], mas para a seleção. Nós nunca jogamos pelos militares que estavam no poder", acrescentou.

Na época, a Copa do Mundo era disputada em diferentes fases de grupos. Na segunda delas, os primeiros colocados dos grupos A e B se enfrentariam na final. O Brasil teria se classificado em condições normais, mas uma rodada específica levanta suspeitas até hoje.

A desconfiança começa no fato de que os dois jogos deveriam acontecer no mesmo horário, mas acabaram tendo um intervalo de quase três horas. Ou seja, a Argentina soube que a seleção brasileira tinha vencido a Polônia por 3 a 1 e que, então, teria que golear o Peru.

E o fez por 6 a 0. Os peruanos contam que o ex-ditador Jorge Videla chegou a entrar no vestiário visitante naquele 21 de junho de 1978, e alguns relatam terem recebido ameaças a seus familiares se não entregassem a partida. Diversos jogadores teriam subido ao gramado tremendo de medo.

Com a goleada, a Argentina se garantiu na final contra a Holanda e, quatro dias depois, se sagrou campeã. A imensa comemoração acabou por ofuscar protestos como o das Mães da Praça de Maio, que exigiam informações sobre seus filhos desaparecidos.

AFP

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos