Inter pode lucrar com vendas mesmo sem nenhum jogador deixar o clube

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

  • Lucas Uebel/Getty Images

    Aranguiz ainda pode render dinheiro ao Internacional depois de venda ao Bayer

    Aranguiz ainda pode render dinheiro ao Internacional depois de venda ao Bayer

O Internacional precisa vender jogadores para garantir sua sanidade financeira, mas para isso não necessariamente necessita enfraquecer o grupo. Com vendas passadas, o clube pode ao menos suportar a desvalorização natural ocorrida na Série B.

Há uma lista de jogadores que podem gerar rendimento ao Inter com percentuais de direitos econômicos mantidos no momento da saída. O primeiro da lista dos percentuais até agora é Charles Aránguiz. O chileno trocou o Inter pelo Bayer Leverkusen, da Alemanha, em agosto de 2015, e além dos 13 milhões de euros (R$ 50 milhões na cotação da época), 20% de um negócio futuro permaneceu em Porto Alegre. Qualquer movimentação do atleta, titular de seu time e fora da próxima Copa do Mundo, obriga o repasse ao Inter.

Rodrigo Moledo, alvo do próprio Inter, também tem ligação ao Colorado. No total, 25% dos direitos dele permaneceram em Porto Alegre na ida dele para o Panathinaikos, da Grécia, em janeiro de 2016.

No caso do defensor, o percentual pode ser efetivado de duas formas: uma venda para outro clube ou mesmo o retorno ao Inter. O Colorado pretende o regresso dele no início do ano que vem e tenta barganhar com sua quantia para que os gregos abram mão dos seis meses que restam de vínculo.

O mais próximo de ter percentual efetivado é o centroavante Maurides. Vendido ao Belenenses, de Portugal, em janeiro deste ano, o jogador tem 20% dos direitos ainda no clube gaúcho e seu clube rejeitou uma oferta de 1 milhão de euros (R$ 3,8 milhões) do Sporting para contar com ele. Espera, segundo a imprensa portuguesa, nova investida próxima a 2 milhões (R$ 7,6 milhões) para fechar acordo. Na hipótese almejada pelo Belenenses, o Colorado lucraria (R$ 1,5 milhão).

Bônus por participação

Ainda há dois contratos de venda que beneficiam o Inter sem tirar jogadores do elenco. Foram os negócios firmados nas saídas do volante Allan, para o Liverpool, da Inglaterra, e o lateral esquerdo Rogério, para a Juventus, da Itália.

Ambos jogadores deixaram a base do Internacional sem mesmo estrear no principal. Só que, dependendo do número de jogos que fizerem pelos clubes em que estiverem atuando, rendem pagamentos ao Colorado.

No ano passado, o Inter já recebeu um valor por conta dos 17 jogos que Allan realizou cedido ao Hertha Berlim, da Alemanha. Agora, ele foi cedido ao Apollon Limassol, do Chipre, tem sete partidas na atual temporada e precisa de ao menos 15 para que o Inter receba em julho (respeitando a temporada europeia).

Já o lateral esquerdo Rogério foi emprestado pela Juventus ao Sassuolo, que disputa a primeira divisão italiana. Por lá realizou apenas um jogo e precisa de, no mínimo, mais 14 até o fim da temporada do velho continente para que o Colorado receba algo.

Ambos também ainda têm 20% dos direitos ligados ao Inter e possuem a mesma condição de pagamento em caso de venda, além dos 5% de direito de formação.

O mecanismo de solidariedade também deixa o Inter atento a jogadores como Bruno Baio e Bruno Gomes (que deixou o Inter em litígio judicial). A cobrança do percentual sobre a venda é realizada a partir de qualquer transação internacional.
 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos