Yaya Touré vê Jesus como 'futuro do City' e cita lição no Barça por título

Caio Carrieri

Colaboração para o UOL, em Manchester (ING)

  • Alex Livesey/Getty Images

A temporada impecável do Manchester City, líder isolado da Premier League e classificado para as oitavas de final da Liga dos Campeões como primeiro do Grupo F com um jogo de antecedência, ganhou sabor ainda mais especial na noite desta terça-feira (21). A vitória por 1 a 0 sobre o Feyenoord-HOL, no estádio Etihad, pelo torneio europeu, foi emblemática do projeto a longo prazo que Josep Guardiola prepara para o clube inglês, cujo elenco passa por um processo de rejuvenescimento desde a chegada do treinador, em 2016.

Com a vaga no mata-mata assegurada e na briga pela liderança da chave, que se confirmou com os resultados de terça, Pep lançou mão de uma equipe mista. Porém, a formação que terminou a partida retrata bem por que o lado azul de Manchester pode ter esperança de conquistas no curto, médio e longo prazo. As três substituições de Guardiola no segundo tempo levaram a campo Gabriel Jesus, 20 anos, Brahim Díaz, meia-atacante espanhol de 18 anos e Phil Foden, meia-atacante inglês, 17.

O trio é composto pelos atletas mais jovens do elenco do City. O brasileiro foi contratado pelo clube em janeiro, e os outros dois são joias da base promovidas pelo catalão – Díaz fez apenas a segunda partida pela equipe profissional, enquanto Foden, eleito o melhor do Mundial sub-17 no título da Inglaterra, no fim de outubro, na Índia, teve o prazer de debutar pelo clube do coração.

Phil Noble/Reuters

"Eles são o futuro do City", sentenciou Yaya Touré, 34, um dos veteranos do plantel e ídolo da torcida. "É importante que fiquem por muito tempo no clube e aprendam com os mais experientes. Isso é fundamental no desenvolvimento da carreira destes jovens", prosseguiu o marfinense. "Quando estamos cercados de grandes jogadores, a chance de ser campeão é muito maior".

Embora o Manchester City impressione não só pelos resultados – invicto na temporada com 17 triunfos em 19 partidas – mas principalmente pelo futebol deslumbrante, Touré coloca o pé no freio quando o assunto é favoritismo.

"O que aprendi no Barcelona de 2009 é não se importar muito com os elogios, porque se você se apegar muito a eles, os adversários te destroem na sequência", disse, em alusão à equipe catalã comandada por Guardiola. Naquela campanha, a de estreia do técnico em um time principal, os blaugranas alcançaram a Tríplice Coroa pela primeira vez no futebol espanhol, com os títulos da Liga dos Campeões, do Campeonato Espanhol e da Copa do Rei.

Em que pese o status de lenda da história moderna do Manchester City, Yaya Touré não teve muitas oportunidades com Pep até agora na temporada. A atuação diante do Feyenoord foi apenas a quinta na atual jornada. Com Fernandinho soberano na cabeça de área do time – o brasileiro foi poupado nesta terça –, o marfinense só tinha sido titular em dois jogos da Copa da Liga, a competição menos importante do calendário inglês.

"Frustrado?", respondeu sobre os poucos minutos em ação. "Se eu estivesse infeliz, já teria pedido para o treinador para não ficar no banco e ir para casa", finalizou o jogador cujo contrato foi o único renovado do plantel, por mais 12 meses, ao final do primeiro ano de Guardiola no City.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos