Pablo perde festa do Corinthians, mas vira assunto de atletas e presidente

Diego Salgado

DO UOL, em São Paulo

Nem mesmo a festa do título do Corinthians amenizou a saída abrupta de Pablo do clube alvinegro. Fora da festa do título em Itaquera, o zagueiro de 26 anos foi citado por ex-companheiros e pelo presidente Roberto de Andrade após o empate por 2 a 2 contra o Atlético-MG, na Arena, pela penúltima rodada do Brasileirão.

As menções a Pablo, porém, foram bem distintas. Enquanto os jogadores se mostraram solidários ao zagueiro, lamentando a ausência, o mandatário corintiano subiu o tom e não escondeu o incômodo pelo modo como ocorreram as negociações.

"Também fiquei triste, por ele não ter aceitado a oferta do Corinthians. O Corinthians abriu as portas para ele, porque ele tava esquecido na França. Mas ele esperou o título para conversar, com o empresário dele, e não tivemos acordo", disse Roberto, que ressaltou que o atleta deixou de fazer parte do elenco assim que foi colocado ponto final na negociação.

"Ele não é mais atleta do Corinthians. No momento em que ele não aceita a oferta do Corinthians, ele não é mais atleta do clube. É uma decisão dele também, não só do clube", afirmou o dirigente.

Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Pablo disputou 51 partidas pelo Corinthians

Entre os jogadores, o clima era outro. Alguns deles, como Balbuena e Rodriguinho, admitiram que gostariam que Pablo fizesse parte da festa em Itaquera. O elenco, apesar disso, celebrou bastante o título no gramado da Arena Corinthians, com medalhas, taça, selfie e a presença de muitos familiares.

"Falo por mim: poderia acontecer com qualquer um. Queria que ele estivesse aqui, porque foi uma peça muito importante pra gente. Mas são coisas que acontecem no futebol, é uma coisa que vai além da gente, é sobre diretoria e o jogador. Mas eu gostaria, sim, que ele estivesse aqui", frisou Rodriguinho.

Companheiro de zaga titular durante toda a temporada, Balbuena lamentou e ressaltou que o hepta brasileiro é de todos os jogadores que ajudaram na campanha.

"Logicamente ficamos tristes porque uma situação assim é difícil, é pessoal dele, a gente não pode interferir. A gente queria que ele estivesse, que todo o mundo estivesse presente. É uma pena que não esteja aqui para comemorar conosco porque isso aqui é de todos nós", disse o ex-companheiro.

Na zona mista, minutos depois de a festa no campo acabar, Roberto ainda deu destaque à falta de acordo ao citar que havia muita diferença entre o pedido pelo atleta e o proposto pelo clube.

"O que o Corinthians ofereceu a ele foi excelente, mas a diferença era bastante grande. Mas às vezes o clube não pode seguir o que o atleta quer", frisou o presidente corintiano.

Pablo sequer foi relacionado para a partida deste domingo depois do veto da diretoria. Após o encerramento das negociações, o clube, de acordo com Pablo, pediu para ele ficar fora até do treino deste sábado, em Itaquera, e alegou "falta de clima". Em entrevista ao UOL Esporte no sábado, o defensor fez críticas à postura do Corinthians. 

"Estou muito triste. O que está acontecendo comigo agora pode vir a acontecer com qualquer outro jogador do Corinthians no futuro. E isso é lamentável", disse o jogador de 26 anos, que defendeu o time alvinegro em 51 partidas da temporada 2017 - 24 delas no Brasileirão.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos