"Vai me bater na frente dele?": Pai acuado por PM chora ao contar ameaças

Beatriz Cesarini

Do UOL, em São Paulo

  • Reprodução/Premiere

    Gil tenta argumentar com policial na arquibancada do Moisés Lucarelli

    Gil tenta argumentar com policial na arquibancada do Moisés Lucarelli

Gideão Messias da Silva ainda não se recuperou física e emocionalmente dos momentos de pavor que passou no último domingo (26), no estádio Moisés Lucarelli. Vindo de Hortolândia, cidade do interior de São Paulo, ele virou o símbolo da confusão generalizada ocorrida em Campinas ao ser acuado por um policial militar enquanto tentava proteger seu filho em meio à briga iniciada por torcedores da Ponte Preta na partida contra o Vitória, pela 37ª rodada do Brasileirão.

Em entrevista ao UOL Esporte, o profissional da construção civil desabou e chorou ao relatar os momentos de aflição que passou ao lado de Ryan Lucas, garoto de nove anos que ficou em choque quando a confusão teve início. Contou ter sido ameaçado e agredido por mais de um PM. E tem os hematomas para provar.

"Falei para ele: 'você está me ameaçando por eu estar protegendo meu filho? Você está dizendo que vai bater em um pai de família. Vai me bater na frente do meu filho?'. Aí ele falou: 'Saia daqui, senão vai levar um cacete'. Foi quando comecei a andar, e ele me deu uma pancada. Aí eu virei para trás e falei: 'O senhor não honra a farda que veste, está pecando na sua função'. Ele começou a me agredir e me chutar. Eu até evito ver a cena, porque começo a chorar e não consigo ver", relatou o torcedor, muito emocionado.

Gideão, conhecido entre amigos e familiares como Gil, trabalha fazendo pequenas obras de alvenaria, elétrica e hidráulica em residências. Torcedor da Ponte, não é frequentador assíduo do Moisés Lucarelli. Ao contrário de seu filho Ryan Lucas que costuma ir ao estádio com a tia. Neste ano, os dois assistiram a praticamente todos os jogos do clube no local. A partida contra o Vitória era a última da Macaca sob os próprios domínios neste ano, o que fez o garoto insistir com que seu pai fosse. A família mora toda em Hortolândia e a avó do menino é moradora de Campinas.

Reprodução/Facebook

Sabendo que os ânimos da torcida poderiam se exaltar em caso de rebaixamento, Gil tinha um plano: deixaria o estádio minutos antes do término da partida. Mas não deu tempo. Aos 38 min do 2º tempo, torcedores da Ponte invadiram o gramado e deram início à confusão. Ele pensou em se afastar e ficar nas arquibancadas para que não o confundissem com algum tipo de baderneiro. Foi quando os policiais começaram a fazer um cordão para mandar todos para fora do estádio.

"Meu filho já estava em estado de choque, tremendo e gelado. Então agachei no degrau, fiquei de joelho junto com ele, o abracei e disse: 'Filho, nada vai te acontecer, o papai está aqui'. E falei para minha irmã não sair de perto para ficarmos todos juntos", contou.

Os policiais, porém, insistiram para que o grupo deixasse o estádio de qualquer maneira. De nada adiantou argumentar sobre o pânico de Ryan Lucas ou seu temor sobre a 'praça de guerra' que se tornou os arredores do estádio. "Um deles chegou até mim e falou: 'Você é culpado disso, deveria estar com seu filho tomando um sorvete agora'".

Gil disse ter argumentado com o policial que tinha o direito de permanecer no estádio, mas que teria sido agredido - o que o deixou com um hematoma. "Eu falei: 'Olha, eu quero saber se você consegue garantir minha segurança lá fora, olha como está lá. Uma cena de guerra'. Então, um deles falou: 'Você vai ter que sair daqui agora ou a gente vai descer o cacete'".

Gil começou a caminhar em direção à saída do Moisés Lucarelli, quando um policial (o das imagens que viralizaram) teria proferido fortes ameaças.

"Esse veio determinado a nos agredir, porque veio rodando o cacetete e disse: 'Ou você sai, ou eu vou bater em todo mundo, o cacete vai comer'. Eu comecei a gesticular e apontei para o menino: 'Meu filho está aqui. Como você vai me humilhar esse tanto? Só quero proteger meu moleque. Eu estou saindo devagar'. Aí ele começou a me chutar, me humilhar, disse que ia me pegar fora dali", narrou.

Reprodução

Fora do estádio, a ajuda em meio à guerra

Quando deixou o estádio com sua família, Gil chegou a avistar um carro da polícia civil e até pensou em relatar o ocorrido, mas desistiu. Um casal de torcedores da Ponte Preta, então, se aproximou e resolveu oferecer ajuda.

"Falei que tínhamos sido enxotados de dentro do estádio com muita violência. Aí ele me chamou para ir a casa dele: 'Vamos lá para casa, eu vou dar uma água para o seu filho'. Ai a gente foi lá, dei uma água para o moleque e ficamos um pouco. Saímos, tentando acalma-lo. Falei que o pai dele estaria sempre junto. O meu cunhado, que nos levou [ao estádio], veio nos buscar, e fomos embora", relatou o pai de Ryan, mais uma vez emocionado.

Ryan, mais calmo, preocupava-se com a mãe, que estava na casa da avó aflita ao ouvir as notícias sobre a confusão no estádio pelo rádio. "Ele disse: 'Pai, eu só pensava na minha mãe e no meu videogame'", contou Gil.

Restaram hematomas, mágoas e o receio de jogos perigosos

Gil não pretende denunciar, fazer B.O. ou processar os policias que agiram com violência contra sua família. Apesar disso, o pai leva consigo a mágoa, os traumas da humilhação e o medo indevido da polícia, que deveria estar presente para proteger.

"Não tem como não guardar mágoa, porque eu fui exposto nacionalmente. Fui humilhado nacionalmente. Não vou entrar com ação nem nada porque tenho medo pela minha família, tenho medo de represália. Se vejo uma viatura de polícia, eu troco de caminho, não passo perto. Não passo. Não sei o que vai estar lá, não sei se vai estar para me apoiar ou agredir, ou se vai me humilhar", disse Gil.

O pai de Ryan pretende seguir levando seus filhos aos jogos da Ponte Preta, mas nunca mais em partidas que apresentem qualquer tipo de risco.

"Tem jogos que são complicados, principalmente contra times da capital, contra o Guarani é terrível. Essa vai ser a minha conduta. Não vou deixar de fazer aquilo que  gosto e também não vou tirar o lazer dele, porque gosta muito de ir ao estádio e falou que quer continuar indo. Eu falei que a gente ia, mas que escolheríamos muito bem os jogos", disse Gil.

Secretaria de Segurança Pública de SP irá investigar o caso

Em nota enviada ao UOL Esporte através da assessoria de imprensa da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, a Polícia Militar respondeu sobre a atuação policial na confusão e disse que irá avaliar a atitude dos oficiais.

"A Polícia Militar informa que os policiais agiram de maneira a evacuar o estádio e dispersar o tumulto ocorrido durante a partida. A corporação não aceita desvio na conduta de seus profissionais. As imagens serão avaliadas pelo comando da operação".

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos