Thales realiza sonho do pai e vibra com chance no Inter: "Meu melhor ano"

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

  • Reprodução/Instagram

    Zagueiro do Inter, Thales (d), e o pai Sandro (e), segurança do clube

    Zagueiro do Inter, Thales (d), e o pai Sandro (e), segurança do clube

Foram apenas cinco jogos, 450 minutos em campo, mas o suficiente para Thales realizar o sonho de seu pai, Sandro. Funcionário do Inter, segurança do CT Parque Gigante, o profissional viu o atleta de 24 anos jogar no Beira-Rio lotado como titular da equipe. Agora de férias, o zagueiro vibra com o que define como 'melhor ano da carreira'.

"Eu fiquei muito feliz. O sonho dele (pai) era me ver jogar no Beira-Rio lotado. Fiz isso. Realizei o sonho do meu pai. Ter a família perto é sempre importante. Meu pai me vê nos treinos, fico muito feliz", contou o defensor em entrevista exclusiva ao UOL Esporte. "Ele (pai) é super tranquilo. Até evita de me falar alguma coisa. Sempre tem isso ou aquilo pra corrigir, mas ele diz que tenho que me dedicar, ser sério, que tudo vai dar certo", completou. "Foi o melhor ano da minha carreira. Consegui o título da Série C (com CSA), fui titular no Inter. Com certeza, foi meu melhor ano", continuou.

Thales começou a temporada sem chances no Colorado. Foi cedido ao CSA-AL para disputa da terceira divisão. Por lá virou titular, ganhou sequência e contou com casualidades para ter sua oportunidade no clube que o formou jogador.

Ricardo Durate/Inter

"Eu já tinha saído outros anos (para empréstimo) e não tinha voltado para o Inter. Mas tive uma sequência no CSA, tudo deu certo para mim. Fiz bons jogos e deu a casualidade de retornar. No primeiro momento fiquei no banco, não seria aproveitado, mas consegui a vaga com muito trabalho e esforço. Foi muito bom voltar, fiz partidas importantes, foi muito legal para mim", disse.

O regresso não foi fácil. Depois da lesão de Klaus, que fraturou o punho, e Ernando, que passou por cirurgia na lombar, o Colorado ficou com poucas opções para zaga. Danilo Silva também estava lesionado e em seguida ocorreu também uma lesão em Cuesta. Thales foi recrutado quando era titular absoluto de sua equipe e estava no primeiro mata-mata da Série C. O CSA acabou subindo.

"Eu estava numa ascensão. Era um jogador importante no elenco, tinha uma moral grande. E vim para ser mais um, para compor o elenco. É difícil não ter a mesma importância. O ego, é complicado... Mas tive a cabeça no lugar para entender isso e voltar. Consegui ter este discernimento, trabalhei forte e tudo deu certo", opinou.

No fim da temporada, Thales virou titular nos jogos que consolidaram a campanha do Inter de volta à Série A do Brasileiro. Agora se divide entre duas situações igualmente importantes. Precisa renovar o vínculo que vai até novembro do ano que vem, e também sonha em participar da primeira Série A da carreira.

"Eu acho que a amostragem foi boa e segura. Um zagueiro que passa segurança para o resto do time. Se for para renovar, vou renovar. Quero estar aqui para o ano que vem, tudo está se encaminhando para isso", afirmou. "A Série A é outra exigência, muito nivelado por cima. Será a primeira da minha carreira. Já fiquei no banco mas nunca joguei. Espero poder traçar metas com o Inter e atingir todas elas", finalizou.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos