Encalhados: Corinthians ainda sofre por mercado ruim após desmanche de 2016

Dassler Marques

Do UOL, em São Paulo

  • Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians

    Marlone, um dos jogadores comprados no ano passado: incógnitas no Corinthians

    Marlone, um dos jogadores comprados no ano passado: incógnitas no Corinthians

Na defesa, Gil. No meio-campo, Ralf, Renato Augusto e Jadson. No ataque, Malcom e Vagner Love.

Tantas baixas em um intervalo de aproximadamente 40 dias fizeram com que o Corinthians, campeão brasileiro de 2015, fosse retalhado pelos mercados de China e Europa logo após o título daquele ano. A vitoriosa temporada de 2017 fez com que um novo horizonte se desenhasse, mas resquícios do inesperado desmanche ainda são sentidos no Parque São Jorge. 

Nos dias seguintes àquela avalanche, o então gerente Edu Gaspar, auxiliado pelo hoje gerente Alessandro Nunes e pelo então diretor Eduardo Ferreira, liderou a remontagem às pressas do elenco para a Copa Libertadores. No início e no meio da temporada, mais de um time de reforços chegou ao Corinthians, mas considerável parte desse contingente se tornou sinônimo, até o momento, de fiasco. 

Com algo em torno de 50 jogadores com idade profissional, o Corinthians espera por definições de reforços mais necessários para dar sequência a negociações de empréstimos ou transferências de quem está na lista de saída. Essa relação, justamente, é majoritariamente preenchida pelos atletas adquiridos em 2016.

Os principais acertos

Marcello Fim/Raw Image/Estadão Conteúdo
Balbuena: entre os melhores do futebol brasileiro

Dos 16 jogadores adquiridos no início da temporada passada, só quatro integram o elenco que se sagrou recentemente campeão brasileiro. Essa rápida migração de mais de um time de atletas reforça como Fábio Carille reorganizou sua equipe para ser campeão paulista e brasileiro em 2017 com muitos jogadores novos e outros que já estavam em casa, como Guilherme Arana, Cássio e Rodriguinho, entre outros. 

Da lista de quem deu certo, sem dúvida o principal nome é Balbuena. O defensor chegou inicialmente como reserva de Yago, mas ganhou a posição no primeiro semestre de 2016 e, depois de oscilações como de toda a equipe, ascendeu para uma temporada 2017 de altíssimo nível. 

Camacho, o principal reserva do Corinthians no ano, acabou premiado com a titularidade nas semanas finais da temporada e em breve deverá estender seu vínculo. Marquinhos Gabriel também iniciou 2017 sob desconfiança, mas reconquistou espaço e, mesmo com muitos problemas físicos, se tornou uma peça importante do elenco. 

Quem não conseguiu render

Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians
Jean foi titular do Vasco, mas tem poucas chances de voltar

A lista é numerosa, mas pode ser aberta por Giovanni Augusto. Principal investimento da era Roberto de Andrade (mais de R$ 14 milhões), compõe o quarteto de remanescentes com Marquinhos Gabriel, Camacho e Balbuena, mas não conseguiu convencer neste ano. Apesar de lesões, Giovanni também conviveu com críticas da torcida e dificuldade para render em Itaquera. Marcou um gol importante no título brasileiro, contra o Atlético-PR, mas não está totalmente garantido em 2018.

Uma das maiores apostas do ano passado, o meia Marlone também viveu muitas irregularidades desde que desembarcou do Sport e nunca conseguiu se impor. O Corinthians gastou mais de R$ 4 milhões por sua aquisição, mas não encontrou um jogador capaz de acumular boas sequências e aparecer em momentos importantes. Ele acabou por pedir transferência ao Atlético-MG, não rendeu no novo clube e agora deve ser envolvido em nova negociação. 

Nesse momento, Guilherme não é uma preocupação, mas deverá ser dentro de alguns meses. Emprestado ao Atlético-PR até o fim de 2018, ainda terá mais um ano de contrato, fruto de um acerto às pressas para quem Tite e Edu imaginavam pudesse substituir Renato Augusto. O tempo revelou, porém, que a avaliação sobre o jogador foi equivocada. O Corinthians hoje gasta mais de R$ 200 mil mensais com o atleta, adquirido por mais de R$ 5 milhões. 

Comprado do Capivariano, o goleiro Douglas ainda não conseguiu estrear pelo Corinthians depois de duas temporadas, mas deixou esperança depois de um grande Brasileiro pelo Avaí. Ele tem o retorno praticamente assegurado para 2018, em razão de uma lesão de Walter, mas interessa a outras equipes. 

A situação do volante Jean é similar. No ano passado, ele foi comprado às pressas do Paraná por R$ 400 mil depois de o Corinthians vender Elias e Bruno Henrique e ainda emprestar Maycon à Ponte Preta. Com limitações técnicas, atuou por 15 minutos com a camisa corintiana e acabou repassado ao Vasco, clube em que atuou regularmente em 2017. Ainda assim, dificilmente irá voltar, já que a posição está preenchida por Carille. 

A lista de micos é maior ainda

Rubens Cavallari/Folhapress
Gustavo passou por dois empréstimos em 2016, mas sem sucesso

Aposta para suceder Vagner Love, André chegou para ser homem de gol, mas desagradou torcedores pelo estilo passivo dentro de campo. Sem muitas bolas nas redes, acabou marcado pela eliminação na Copa Libertadores de 2016 ao perder um pênalti contra o Nacional-URU. Um semestre depois de chegar, repetiu sua trajetória cigana no futebol e se transferiu ao Sporting-POR por 1 milhão de euros. 

Comprado por mais de R$ 4 milhões, o centroavante Gustavo ficará marcado como um dos principais erros da administração Roberto de Andrade. O clube procurava um novo centroavante justamente depois de vender André e também Alexandre Pato, com quem ainda tinha vínculo. Gustagol, como era apelidado no Criciúma, chegou a ser afastado por deficiência técnica, não fez nenhum gol e, neste ano, rodou sem brilhar por Bahia e Goiás, este na Série B. 

Alan Mineiro foi outro jogador a chegar ao Corinthians depois de se destacar na segunda divisão, mas não conseguiu render em alto nível. Ele custou R$ 1 milhão ao clube e foi escalado por Tite como titular na Libertadores, mas desde então rodou por três equipes diferentes. O quarto destino deve ser o Fortaleza, no ano que vem. 

Contratado ao lado de Camacho, logo após o Paulista 2016, Bruno Paulo até hoje não realizou uma partida oficial pelo Corinthians em virtude de lesões e pouco espaço. Cedido ao Santa Cruz, fez uma Série B discreta, em cenário similar ao de Luidy, ex-CRB. Ele foi adquirido no segundo semestre do ano passado para ser uma aposta em 2017, mas não se destacou em empréstimo ao Figueirense e deve ser, mais uma vez, enviado a outra equipe - o custo do jovem foi superior a R$ 500 mil.  

Integrante do elenco campeão brasileiro em 2017, Vílson compõe a lista daqueles que não conseguiram render no novo clube. O zagueiro ex-Palmeiras teve apresentações ruins ao longo da última temporada, mas mesmo assim foi adquirido por R$ 400 mil aproximadamente. Neste ano, os problemas físicos fizeram com que ele, jogador muito querido pelos colegas de equipe, não conseguisse nenhum minuto em jogos oficiais. 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos