De fraude a lavagem de dinheiro: Marin será julgado por sete crimes nos EUA

James Cimino

Colaboração para o UOL, em Nova York (EUA)

  • Eduardo Graça/UOL

    José Maria Marin presidiu a CBF entre 2012 e 2014, quando assumiu Marco Polo Del Nero

    José Maria Marin presidiu a CBF entre 2012 e 2014, quando assumiu Marco Polo Del Nero

Ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), José Maria Marin foi acusado de ter cometido sete crimes e será julgado por eles na Suprema Corte do Brooklyn, em Nova York, onde os casos de corrupção envolvendo a Fifa nos últimos anos irão a júri. Além do brasileiro, também estão em julgamento Juan Ángel Napout, ex-presidente da Conmebol e acusado de cinco crimes, e Manuel Burga, ex-presidente da Federação Peruana de Futebol, que responde por apenas um delito.

De acordo com a Promotoria dos Estados Unidos, o valor de propinas por direitos de transmissão pago a José Maria Marin (em associação com Marco Polo Del Nero, atual presidente da CBF e que não está sendo julgado nos Estados Unidos) é de US$ 6,55 milhões, o de Napout é US$ 10,5 milhões e de Burga mais US$ 4,4 milhões. Julio Grondona, ex-presidente da Federação Argentina, morto em 2014, recebeu outros US$ 12,2 milhões. Ao todo, somando outros dirigentes que não estão no banco dos réus neste caso, o valor pago só em propinas chega a US$ 76,7 milhões (R$ 253,3 milhões, aproximadamente).

Marin é acusado pelos seguintes crimes: conspiração para recebimento de dinheiro ilícito; conspiração para fraude relativa à Copa Libertadores; conspiração para lavagem de dinheiro relativa à Copa Libertadores; conspiração para fraude relativa à Copa do Brasil; conspiração para lavagem de dinheiro relativa à Copa do Brasil; conspiração para fraude relativa à Copa América e conspiração para lavagem de dinheiro relativa à Copa América.

A acusação de fraude contra os três dirigentes envolve violação do código de ética das instituições que eles representavam, como a Fifa e a Conmebol, que especificam que seus dirigentes devem ser justos, honestos, manter confidencialidade dos negócios e não receber propinas. Das acusações de lavagem de dinheiro ficou evidenciado, segundo a acusação, que os três réus transportaram dinheiro através do território dos Estados Unidos por meio de contas bancárias, transferências eletrônicas utilizando o sistema bancário americano ou bancos americanos correspondentes a outros bancos estrangeiros.

No caso de Marin, as principais provas são a conta bancária da empresa Firelli, de sua propriedade, no banco Morgan Stanley de Nova York, o uso do aeroporto La Guardia e do aeroporto de Miami para promover o anúncio da Copa América Centenário. Isto porque, nesta viagem Marin, encontrou-se com o empresário J. Hawilla, da Traffic, que estava grampeado pelo FBI, e discutiu o esquema de propinas. Outro agravante para Marin são as transferências bancárias feitas usando as águas territoriais do distrito de Nova York. 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos