Mulher de Lucho González acusa meia de tentativa de homicídio; jogador nega

Brunno Carvalho

Do UOL, em São Paulo

  • Reprodução

A Polícia Civil de Curitiba abriu um inquérito para investigar uma acusação de tentativa de homicídio envolvendo Lucho González, ex-jogador do Atlético-PR, e sua mulher, Andreia da Silva Marques González. O meia nega a acusação e afirma ter tentado salvar Andreia de um suicídio.

O caso aconteceu no dia 8 de dezembro, em Curitiba. A assessoria de imprensa da Polícia Civil confirmou o caso e afirmou que Andreia passou por exames de corpo de delito na Delegacia da Mulher e foi ouvida pela delegada responsável pelo caso.

Envolvido no caso, Lucho González entrou em contato com a delegada para esclarecer o caso e será ouvido nos próximos dias. É esperado que outras testemunhas também deem seus depoimentos sobre o ocorrido.

Em entrevista ao canal português "Record", Andreia relatou o ocorrido no dia 8 de dezembro. De acordo com ela, Lucho ameaçou jogá-la da varanda do apartamento em que mora e chamou os dois filhos do casal para acompanhar o momento.

"Meu marido, Lucho González, tentou me matar. Discutimos e ele tentou me matar. A partir daí, ele esvaziou a casa, levou tudo que era de valores, as joias... Tirou todo o dinheiro que havia nas contas, bloqueou todos os meus cartões. Tirou todo o dinheiro que tinha em casa, ele até roubou o dinheiro das funcionárias", afirmou.

Reprodução
Juiza defere medida protetiva de urgência à mulher de Lucho González

"Ele tentou me asfixiar, cortou meu pulso. Ele me pendurou na varanda e ainda chamou meus dois filhos para me verem cair da varanda. As empregadas conseguiram trazê-lo à razão e ele me puxou de novo para dentro da varanda. Depois, começou a gritar: 'vou te matar, vou te matar'".

O Ministério Público concedeu a Andreia uma medida protetiva de urgência, baseada na Lei Maria da Penha. Com isso, Lucho não poderá chegar a uma distância mínima de 500 metros dela. O jogador também está proibido de entrar em contato com Andreia, seus familiares e testemunhas, seja por telefone, redes sociais ou outro tipo de meio de comunicação.

A juíza de direito Karine Pereti de Lima Antunes suspendeu o direito de visitas de Lucho aos filhos pelo prazo inicial de 90 dias. Além disso, uma pensão alimentícia provisória foi fixada em R$ 937.

Lucho González tem 36 anos e se despediu do Atlético-PR na última quinta-feira (14). Ele não renovou contrato com o clube paranaense e cogita se aposentar do futebol.

O lado de Lucho González

AP/Jorge Saenz

Em documento anexado ao processo, os advogados de Lucho dão uma versão distinta ao caso. De acordo com o meia argentino, Andreia possui um quadro clínico depressivo e faz uso de medicamentos controlados. "Além do quadro depressivo, Andreia possui compulsão por compras, motivo pelo qual sempre realizou gastos excessivos durante o relacionamento".

No relato do jogador, Andreia teria desaparecido na noite do dia 7 de dezembro e retornado somente no dia seguinte. "Ao chegar na residência, Andreia foi diretamente até o quarto do casal. Na oportunidade, os presentes na residência suspeitavam que Andreia estava sob efeito de substâncias entorpecentes, o que poderá ser averiguado por meio de teste toxicológico, que permite a identificação do uso de drogas pelo período de até seis meses", diz o texto.

"Após a chegada de Andreia, Lucho subiu até o quarto do casal, localizado no primeiro andar da residência, com o intuito de questionar onde a esposa se encontrava, bem como para chama-la para almoçar como a família", prossegue.

"Neste momento, Lucho percebeu que Andreia estava com os passaportes de toda a família em seu bolso, o que lhe causou certa estranheza. Ao questioná-la sobre isso, a situação saiu do controle, tendo Andreia começado a gritar com Lucho, falando coisas desconexas e se negando a explicar o motivo que estava com os passaportes".

De acordo com relato, Andreia tentara acesso à sacada externa da casa, sendo impedida por Lucho. Na sequência, Andreia teria se dirigido até o quarto do filho Matteo, de sete anos, e subido no parapeito, ameaçando se jogar para se matar.

"Com este cenário, Lucho correu até o local, logo abaixo da sacada para que, caso Andreia efetivamente se jogasse da janela, Lucho pudesse segurá-la. Após alguma discussão, Andreia foi demovida da ideia de se suicidar".

Na versão, Lucho teria deixado a casa após o ocorrido e, na sequência, Andreia teria quebrado bens presentes na residência. Com o caco de vidro, a mulher do jogador teria cortado os próprios pulsos e atribuído a culpa ao argentino.

Dentro do processo de Lucho foi anexado um documento feito pelas duas funcionárias da casa. Em cartório, elas registraram que Andreia teria ido sozinha ao parapeito, enquanto Lucho teria saído do apartamento. A cena teria sido presenciada pelas funcionárias, conforme elas escreveram no documento.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos