Cruzeiro já não garante Hudson e São Paulo abre as portas para retorno

Bruno Grossi, Enrico Bruno e Thiago Fernandes

Do UOL, em São Paulo (SP) e Belo Horizonte (MG)

  • Eduardo Anizelli/Folhapress

    Hudson viveu seu melhor momento no SP com o técnico Edgardo Bauza

    Hudson viveu seu melhor momento no SP com o técnico Edgardo Bauza

Falta pouco para que a situação do volante Hudson seja definida. Emprestado ao Cruzeiro até o fim deste mês, o meio-campista vê o time mineiro postergar ao máximo as negociações com o São Paulo para comprá-lo e alegar falta de dinheiro para a transação. Do outro lado, o Tricolor já se movimenta e tenta passar a segurança de que, caso volte, o jogador fará parte do planejamento para 2018. A comissão técnica gostaria de tê-lo e a diretoria gosta do perfil e da liderança do atleta no elenco são-paulino - em 2016, na Libertadores, chegou a ser o capitão do time.

Em entrevista ao Globoesporte.com, o empresário de Hudson, Luciano Couto, afirmou que se a Raposa não sacramentar as negociações nesta terça-feira, não haverá mais conversa e o cliente voltará ao clube paulista. O novo presidente celeste, Wagner Pires de Sá, se defende alegando que a preferência de compra seguirá vigente até dia 31 de dezembro, mas já admite que pode ver o volante sair de Belo Horizonte.

"Existe um prazo [para fechar com o Hudson], temos que resolver até o dia 31 [de dezembro]. Estamos fazendo uma proposta dentro das nossas possibilidades. Se chegarmos a um acordo, seria excelente. Mas vamos aguardar", disse o mandatário, que prosseguiu, comentando as declarações do agente de Hudson:

"Vi isso pela imprensa. Já fizemos uma contraproposta para fazer um abatimento no preço do Hudson. Estamos aguardando a resposta, acredito que até o meio dessa semana estejamos resolvido. O Hudson é de uma importância enorme, seria excelente se continuasse com a gente. Mas temos que ver também nosso orçamento, temos que olhar com cuidado. Todos os times brasileiros estão passando por uma condição difícil", comentou.

No Cruzeiro, Hudson tinha nas mãos uma proposta de três anos de contrato. No São Paulo, o vínculo atual termina no fim de 2019. A ideia do estafe do jogador, em caso de retorno ao Tricolor, é tentar ampliar esse período de permanência, com melhorias salariais. A avaliação é que o marcador se valorizou em 2017 ao ser um dos protagonistas do título dos mineiros na Copa do Brasil.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos