De contrato renovado, Renato Gaúcho rompe marca de dez anos no Grêmio

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

  • Lucas Uebel/Grêmio

    Renato Gaúcho renovou contrato com Grêmio por mais uma temporada na quarta-feira

    Renato Gaúcho renovou contrato com Grêmio por mais uma temporada na quarta-feira

Renato Gaúcho renovou contrato com o Grêmio por mais uma temporada. No início da noite de quarta-feira, o Tricolor oficializou o novo vínculo do treinador, agora com fim em dezembro de 2018. E a permanência rompe uma marca de dez anos. Portaluppi será o primeiro treinador a começar duas temporadas consecutivas no clube.

Ele será o primeiro a atingir o feito desde Mano Menezes, que comandou o Grêmio de abril de 2005 até dezembro 2007, indo para o Corinthians em 2008. Em tempo corrido, Mano está bem na frente. Foram 33 meses contra 16 de Renato. Desde então, uma rotina de trocas pautou o comando do time azul, branco e preto.

Na temporada 2008, o treinador que começou foi Vagner Mancini, trocado após um mês no comando. Veio Celso Roth e permaneceu no leme até o fim do ano, com vice-campeonato brasileiro.

Roth começou a temporada 2009, mas não se sustentou por muito tempo. Acabou dando lugar a Marcelo Rospide e depois Paulo Autuori, que terminou o ano e resolveu não permanecer.

Em 2010, começou com novo técnico, Silas. E mesmo com título gaúcho e uma boa campanha na Copa do Brasil, ele acabou demitido em julho. Assumiu Renato Gaúcho, que levou o time até a classificação para Libertadores seguinte.

Renato seguiu na temporada 2011, mas não durou muito. Com problemas na relação com o então presidente Paulo Odone, Portaluppi foi demitido em agosto daquele ano. Deu lugar a Julinho Camargo, que depois de um mês também caiu, dando lugar a Celso Roth. Ele terminou 2011, mas não ficou no ano seguinte.

Foi Caio Júnior que começou a temporada 2012, mas foi demitido em fevereiro dando lugar a Vanderlei Luxemburgo, que levou o time até o fim daquele ano e começou 2013. Só que a exemplo de Renato, teve problemas com o presidente do clube. Desta vez foi Fábio Koff, que rescindiu o vínculo de Luxa em agosto de 2013. Renato voltou, o Grêmio foi vice-campeão brasileiro, e ele não permaneceu para 2014.

Foi a vez de Enderon Moreira começar o trabalho, mas ser demitido depois da eliminação na Libertadores e da derrota por goleada para o Inter na final do Gauchão. Chegou Luiz Felipe Scolari, que comandou o time no fim de 2014 e começo de 2015, caindo em julho daquele ano. Roger Machado foi contratado e levou o Grêmio até o fim da temporada 2015, começando 2016 no leme.

No entanto, Roger caiu no meio de 2016 após pedir demissão por considerar que não teria mais o que acrescentar ao grupo. Renato chegou, foi campeão da Copa do Brasil e se consolidou no clube. Começou a temporada 2017, conquistou a Libertadores, fez ótima campanha no Brasileiro, renovou contrato e começará 2018. Algo inédito há 10 anos.

A permanência reflete o plano da direção de perpetuar Portaluppi no comando gremista. O presidente Romildo Bolzan Júnior, inclusive, já disse em outro momento que gostaria do treinador por longos anos no comando.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos