São Paulo analisa ofertas, mas dará aumento salarial se Hudson ficar

Bruno Grossi, José Eduardo Martins e Thiago Fernandes

Do UOL, em São Paulo e Belo Horizonte

  • Washington Alves/Cruzeiro

    Hudson tem o futuro incerto, apesar de ainda ter contrato com o São Paulo

    Hudson tem o futuro incerto, apesar de ainda ter contrato com o São Paulo

O São Paulo pode ganhar um reforço para o meio de campo. Após recusar a proposta do Cruzeiro, o Tricolor conta na reapresentação da equipe, no dia 3 de janeiro, com Hudson, que receberá aumento salarial se confirmar a sua volta ao clube. No entanto, o departamento de futebol não descarta totalmente as possibilidades de reforçar o seu caixa com uma transação ou de envolver o volante em uma troca. Até o momento, a diretoria paulista e o estafe do jogador não negociaram com outras equipes por conta da transação com os mineiros.

"Existem algumas sondagens, não abri negociação com nenhum clube, porque a prioridade era do Cruzeiro. Liguei para ele [Hudson] para falar que o Cruzeiro estava desistindo do negócio [nesta quinta-feira, 21], porque a atual diretoria alega não ter dinheiro para comprá-lo", disse o empresário do jogador, Luciano Couto ao UOL Esporte.

Aos 29 anos, o meio campista tem contrato com o Tricolor até o fim de 2019 e está valorizado, após uma temporada convincente pelo Cruzeiro. Neste ano, ele disputou 28 partidas e marcou três gols - um, inclusive, contra o São Paulo. Por isso, no entender dos cartolas paulistas, seria um bom momento para negociá-lo. No entanto, Luciano Couto vê com bons olhos a possibilidade de ele voltar ao Morumbi. 

"O Hudson tem contrato com o São Paulo por mais dois anos. Com a desistência do Cruzeiro, ele tem que voltar para o São Paulo. O clube quer utilizar o Hudson. O São Paulo sempre falou que queria utilizar o Hudson. A prova disso é que não aceitaram as propostas de menor valor. Isso mostra o interesse no jogador", disse Couto.

Caso o volante volte a defender o Tricolor, a concorrência será acirrada por um lugar na equipe. Afinal, o São Paulo renovou nesta semana o contrato com Jucilei e ainda conta para o meio de campo com Hernanes, Petros, Jonatan Gomez, Araruna e Militão. Por outro lado, em sua análise, a comissão técnica paulista vê a necessidade de contratar goleiro, lateral direito, meia, atacante de velocidade e um centroavante. Para tanto, será necessário caixa para tais reforços.

Aliás, a falta de recursos impossibilitou o Cruzeiro a fechar a renovação de Hudson. Após oferta mineira de 700 mil euros (R$ 2,74 milhões) por 25% dos direitos do volante, o Tricolor não se dispôs a abrir mão da multa de 1,5 milhão de euros (R$ 5,88 milhões) por 50% dos direitos do atleta. Envolvido em uma troca por Neílton, o jogador tinha contrato com Cruzeiro até dia 31 de dezembro. A permanência na Toca da Raposa II era um pedido do técnico Mano Menezes.

Por que o Cruzeiro desistiu?

Sem dinheiro e apoio para fechar o negócio, os mineiros não conseguiram adquirir os direitos de Hudson. A diretoria entende que é impossível manter o jogador com os valores impostos em contrato - 1,5 milhão de euros (R$ 5,88 milhões).

A princípio, os mineiros buscaram um investidor para garantir a contratação do atleta. Mas a desistência do parceiro inviabilizou o pagamento. Depois disso, a tentativa foi com números inferiores, mas os mineiros as recorrentes recusas do São Paulo fizeram o clube desistir da contratação.

Sem Hudson, o Cruzeiro mira os esforços para anunciar Bruno Silva. O atleta que pertence ao Botafogo é uma das prioridades da cúpula comandada por Itair Machado, vice de futebol, para o decorrer da temporada.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos