Definida há tempos, barca do Flu só "engrenou" após chegada de Autuori

Leo Burlá

Do UOL, no Rio de Janeiro

  • Lucas Merçon/Fluminense

    Abad, Autuori e Fabiano Camargo: parte da cúpula de futebol do Flu

    Abad, Autuori e Fabiano Camargo: parte da cúpula de futebol do Flu

A barca lotada de tripulantes que zarpou das Laranjeiras nesta última quinta-feira já tinha os nomes definidos cerca de 10 dias atrás. O plano de cortes radicais no elenco, no entanto, já vinha sendo debatido e amadurecido no clube. De posse de um relatório de uma consultoria internacional, Diogo Bueno, vice de finanças, tratou sobre o tema em reunião do Conselho Diretor, no mês de outubro, e falou da importância de enxugar os gastos.

Na última terça-feira, Bueno e outros vice-presidentes se reuniram com o presidente Pedro Abad para colocar o plano em curso. No dia seguinte, o Comitê Gestor apenas executou o que já vinha sendo desenhado há meses e que só tardou por conta conta das ausências de um vice de futebol e de um diretor esportivo, cargos posteriormente ocupados por Fabiano Camargo e Paulo Autuori. Com os postos enfim ocupados, o Flu acelerou as medidas traçadas há meses nas Laranjeiras.

O encontro derradeiro antes do anúncio teve a presença do presidente Abad, do CEO Marcus Vinicius Freire, de Autuori, Camargo e do gerente Marcelo Teixeira, este incumbido de dar a notícia aos jogadores mais experientes. O assessor da presidência Marcelo Penha também foi convocado para a missão de falar com parte dos atletas.

Antes de definir quem deixaria o clube, os responsáveis pegaram a calculadora e passaram a definir os eleitos, cujos nomes passaram pelo crivo do técnico Abel Braga, representado na reunião final pelo novo diretor esportivo. Altos salários e baixo desempenho estavam na mira do grupo, que estima que conseguirá economizar algo na casa dos R$ 20 milhões por ano com o corte.

Na parte "amadora" do clube, a questão também contou com a participação de Miguel Pachá, vice-presidente de Interesses Legais do Flu, que analisou as questões jurídicas envolvidas nesta ação e deu o aval para a operação.

"O caso deu algum ruído por causa dessa coragem e transparência que tivemos. Passou a impressão que não foi planejado, mas foi planejado. Poderia ter sido feito mais cedo se já tivéssemos o Autuori e o Fabiano", disse Marcus Vinicius Freire, CEO do Tricolor.

As dispensas já foram feitas, mas as negociações começarão a partir da primeira semana de janeiro. O Fluminense monta uma operação para quitar tudo até março, mas tentará acordos amigáveis com os oito jogadores, o que é bem improvável, já que o Flu acenará com valores menores que a dívida mas com promessa de pagamento mais rápido.

"Estamos buscando investidores nacionais e internacionais para recomprar a dívida do clube permitindo o seu alongamento", explicou Diogo Bueno.

Além dos oito que deixaram o clube, o Fluminense também aliviou sua folha salarial com a saída de Wellington Silva para o Internacional, e a iminente venda de Wendel para o Sporting. Principais ativos deste enxuto Fluminense, Gustavo Scarpa e Henrique Dourado são assediados e uma oferta sedutora poderá tirar os dois do clube, que não trata nenhum de seus atletas como inegociáveis.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos