Após ano de adaptação, Borja será moldado para "deslanchar" em 2018

Leandro Miranda

Do UOL, em São Paulo

  • Ale Cabral/AGIF

    Palmeiras aposta em recuperação do atacante após temporada irregular

    Palmeiras aposta em recuperação do atacante após temporada irregular

Miguel Borja chegou ao Palmeiras no início de 2017 pressionado por uma expectativa altíssima da torcida e pelos R$ 35 milhões desembolsados por sua contratação, que teve grande aporte financeiro da patrocinadora Crefisa. Dentro de campo, em seu primeiro ano, passou longe de render o que se esperava. Mas a aposta no clube alviverde para a próxima temporada é que o colombiano "deslanche", adaptado ao futebol brasileiro e recebendo confiança internamente.

Borja fez 43 jogos em 2017, sendo 22 como titular, e marcou dez gols. Um desempenho razoável, mas nem próximo do artilheiro implacável que torcida e clube esperam que ele seja. Para efeito de comparação, no Atlético Nacional, clube que defendeu no segundo semestre do ano passado, o atacante de 24 anos marcou 17 gols em 27 jogos, sendo 23 como titular.

O jogador teve problemas com a barreira inicial do idioma e dos hábitos de um país diferente, mas a mudança mais citada por ele mesmo ao longo do ano foi dentro de campo. Acostumado a ser um finalizador puro na Colômbia, preocupado em explorar o espaço atrás dos zagueiros e receber cruzamentos ou passes em profundidade, ele sofreu com as exigências do jogo no Brasil, em que era obrigado muitas vezes a sair da área para participar da construção de jogadas e ajudar na fase defensiva.

Quem mais pediu a Borja coisas que ele não fazia na Colômbia foi Cuca, com quem o jogador chegou a perder a posição para Deyverson – um atacante que se sente mais à vontade brigando por bolas longas no pivô e iniciando a marcação pressão, dois pilares do estilo do treinador. Já com Alberto Valentim, o Palmeiras passou a jogar com passes mais curtos e criar mais chances para seu camisa 9, que viveu alguns de seus melhores momentos na reta final do ano.

Para 2018, a comissão técnica liderada por Roger Machado acredita que pode moldar a equipe e o atacante para que ele renda o máximo dentro de suas características, em vez de tentar adaptá-lo a novas funções. Os trabalhos só começam em 3 de janeiro, data da reapresentação do Palmeiras, mas a ideia preliminar é que ele pode funcionar no estilo planejado para o time. O trabalho deixado por Valentim, aliás, é visto com bons olhos pela nova comissão palmeirense.

Já a diretoria alviverde rechaçou sondagens sobre Borja durante o ano passado e demonstrou confiança na recuperação do atleta, que tem contrato até 2022 e é constantemente convocado pela seleção da Colômbia. O Palmeiras não fez contratações para o ataque até aqui, e o camisa 9 vai iniciar o ano enfrentando novamente a concorrência de Deyverson e Willian pelo posto de centroavante.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos