Atlético-PR acusa agente de travar Seedorf; empresa chama cartola de "gagá"

Do UOL, em São Paulo

Dias depois de desistir da contratação de Clarence Seedorf e optar pela chegada do técnico Fernando Diniz, o Atlético-PR soltou nota oficial nesta segunda-feira (8) explicando os motivos pelos quais não seguiu negociando com o holandês.

O comunicado, assinado pelo presidente do Conselho Deliberativo do clube, Mário Celso Petraglia, fala que o alto pedido de comissão solicitado pelo agente OTB Bruno Paiva, que intermediou as conversas entre o Atlético-PR e o ex-meia, complicaram a conversa de ter um final feliz.

"As tratativas caminhavam e Seedorf conheceu a estrutura e o projeto do CAP para as temporadas de 2018 e 2019, chegando até a definir as condições iniciais de sua contratação por intermédio do Sr. Paiva, com a confecção, inclusive, de minuta contratual".

Petraglia também criticou o agente que intermediou o negócio de influenciar o goleiro Weverton a não renovar seu contrato com o Atlético-PR, além de impedir a profissionalização do meia Marcos Bahia, que está na seleção brasileira sub-17.

"Próximo de alcançar os 18 anos de idade (em junho de 2018), Bahia, influenciado por seus agentes, muito provavelmente romperá sua formação desportiva e buscará subterfúgios para burlar a indenização nacional por formação estabelecida na Lei Pelé e fixar vínculo desportivo no mercado estrangeiro, objetivando tão somente pagar custos básicos de formação, (indenização externa) em prejuízo técnico, econômico e financeiro do Clube Formador", disse.

Na nota, o Atlético-PR pediu uma reflexão aos outros clubes e a própria CBF para que regulamentem mais a atuação de "certos agentes". "Tais agentes atuam de forma parasita sobre os já combalidos cofres dos clubes brasileiros, que, na ânsia de obter bons resultados em campo, acabam cativos, compelidos a aceitar as exigências de valores absurdos de contratos de trabalho e comissões maiores ainda."

Outro lado

Pouco depois, foi a vez de a OTB Sports se manifestar. Por meio de seu Instagram, a empresa informou que não iria soltar nenhuma nota, mas ironizou as declarações de Petraglia. "Pessoas com perfil ditador têm sérias dificuldades em lidar com a passagem do tempo e o consequente decréscimo de poder. A idade chegou para Mário Celso Petraglia e, infelizmente, com ela veio a deterioração de sua saúde mental."

"Em suma, a OTB Sports lamenta que o dirigente esteja completamente 'gagá', com dificuldade de organizar seus pensamentos e externando surtos de delírio, e recomenda, seriamente, que família e amigos busquem ajuda profissional", finalizaram os sócios Bruno Paiva e Marcelo Goldfarb.
 

Veja na íntegra a nota do Atlético-PR

O Clube Atlético Paranaense vem a público, em especial perante a sua torcida, apresentar as principais razões que levaram à exclusão da alternativa Seedorf no planejamento técnico do futebol atleticano.

Com a saída de Paulo Autuori, o CAP foi ao mercado buscar um Coordenador e Técnico para a condução do futebol profissional. Várias opções se apresentaram ao Clube e, dentre elas, a oferta dos serviços de Clarence Seedorf, pelo intermediário do Sr. Bruno Paiva, representante da OTB Sports (empresa de gerenciamento de atletas e treinadores).

As tratativas caminhavam e Seedorf conheceu a estrutura e o projeto do CAP para as temporadas de 2018 e 2019, chegando até a definir as condições iniciais de sua contratação por intermédio do Sr. Paiva, com a confecção, inclusive, de minuta contratual. Porém, durante as negociações, o CAP deparou-se com a conduta negativa do referido agente, que passou a exigir uma exorbitante comissão pela intermediação. Nessa ocasião, o CAP ainda tomou conhecimento de como o Sr. Paiva, também agente e procurador do nosso ex-goleiro Weverton, conduziu a não renovação de seu contrato, além das suas ações de impedir a profissionalização pelo Clube do garoto Marcos Antonio Silva Santos (o "Bahia"), que por conta da formação de excelência recebida, chegou até a Seleção Brasileira Sub-17. Próximo de alcançar os 18 anos de idade (em junho de 2018), Bahia, influenciado por seus agentes, muito provavelmente romperá sua formação desportiva e buscará subterfúgios para burlar a indenização nacional por formação estabelecida na Lei Pelé e fixar vínculo desportivo no mercado estrangeiro, objetivando tão somente pagar custos básicos de formação, (indenização externa) em prejuízo técnico, econômico e financeiro do Clube Formador!

Vale dizer que, além de Weverton e Bahia, Paiva também adquiriu procurações de outros atletas com formação no CAP — caso do lateral Sidcley Ferreira Pereira — possivelmente com o auxílio de um ex-funcionário, o Sr. Pedro Zalla, que atuou no Clube e hoje também pertence ao grupo OTB Sports.

Exige o tema uma nota de reflexão, tanto para o CAP como para todos os clubes do futebol brasileiro, bem como à CBF — que regulamenta a atuação dos intermediários perante seus filiados — sobre a inescrupulosa conduta de certos agentes que, além de explorarem economicamente atletas e treinadores, intervêm negativamente em suas carreiras, direcionando-os para aquilo que melhor atenda a seus interesses financeiros pessoais. Tais agentes atuam de forma parasita sobre os já combalidos cofres dos clubes brasileiros, que, na ânsia de obter bons resultados em campo, acabam cativos, compelidos a aceitar as exigências de valores absurdos de contratos de trabalho e comissões maiores ainda. Enriquecem os agentes e empobrecem os clubes, que são (e devem ser) os únicos e verdadeiros protagonistas do futebol.

A Lei Pelé, de 1998, originou o fim do "passe" e criou o instrumento para o fim da "escravidão" no futebol. Porém, o que se apresenta hoje é que o "escravo" apenas mudou de "dono". A CBF registra em torno de 800 nomes de agentes que atuam no controle dos atletas desde seu início de carreira. Muitos meninos com 12 e 13 anos de idade já possuem agentes, com procurações "compradas" com o dinheiro dos próprios clubes. Atualmente, o mercado do futebol está centralizado em 5 ou 6 grandes grupos de empresários, que ditam as regras de mercado e dominam as relações entre clubes e atletas.

Algo deve ser feito!

Cabe aqui, o protesto formal do Clube Atlético Paranaense contra esse nefasto e prejudicial sistema mercadológico estabelecido pela ganância de quem nada contribui com o futebol — ao contrário, dele apenas se alimenta. Compete aos clubes, seus dirigentes e órgãos reguladores tomarem medidas urgentes a respeito do "Mal" representado por essas intermediações e dar um "Basta!", para o bem do futuro do futebol.

Mario Celso Petraglia
Presidente do Conselho Deliberativo
Clube Atlético Paranaense

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos