Ligado a Eurico, desembargador julgará validade da urna 7 do Vasco

Bruno Braz, Pedro Ivo Almeida e Rodrigo Mattos

Do UOL, no Rio de Janeiro

  • Divulgação Ferj

    Flávio Zveiter, filho de Luiz, é cortejado por Eurico em sua posse no STJD em 2012

    Flávio Zveiter, filho de Luiz, é cortejado por Eurico em sua posse no STJD em 2012

Em sorteio realizado na tarde desta segunda-feira (8), na volta do Poder Judiciário após o recesso de fim de ano, Luiz Zveiter foi escolhido entre 25 desembargadores do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) para relatar o mandado de segurança impetrado por Eurico Miranda onde o dirigente requer a validade da polêmica urna 7, que nas últimas decisões judiciais foi desconsiderada, o que dá a vitória momentânea ao candidato de oposição Julio Brant.

Zveiter tem uma ligação antiga com Eurico. De acordo com o "Estadão", em 2004, por exemplo, ele se reelegeu como presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) por pressão do dirigente. Anteriormente indicado pela CBF, o desembargador naquela ocasião não constava na lista da entidade, que indicou José Mauro Couto e Virgílio Augusto da Costa Val para votação. Porém, Miranda se articulou em conjunto com o extinto Clube dos 13 e não só incluiu Luiz na listagem como o ajudou a vencer por 7 votos a 0.

"A CBF tentou uma manobra. Ricardo Teixeira quer dominar os clubes, a política desportiva e também não desportiva", teria dito Eurico na época.

Em 2012, segundo a coluna "De Prima", do jornal Lance!, Eurico foi um dos mais cortejados na cerimônia de posse do filho de Zveiter, Flavio, que assumiu a presidência do STJD na época. O artigo classificou Miranda como "amigo" do desembargador.

Em novembro do ano passado, o Globoesporte.com noticiou um encontro entre Eurico e Luiz. A reportagem diz que o tema da reunião foi o processo que apurava as possíveis irregularidades na eleição vascaína e que o dirigente buscava apoio e influência.

CPI já apontava ligação Miranda-Zveiter

No início deste século, a CPI do Futebol do Senado também já alertava para a relação entre Eurico Miranda e a família Zveiter. No relatório final da investigação, a Comissão apontava "depósito suspeito" de R$ 306 mil do Vasco, então com o cartola na vice-presidência de futebol e peça-chave no comando, ao escritório do desembargador.

"Da análise dos pagamentos efetuados pela Vasco Licenciamentos, chamaram a atenção da CPI vários repasses efetuados ao exterior e a terceiros, a pedido do vice-presidente do clube, Sr. Eurico Miranda, enquanto o contrato celebrado previa que os recursos decorrentes da parceria deveriam ser aplicados única e exclusivamente no futebol profissional do clube", contava a CPI. Dentre os beneficiados dos repasses, realizados entre agosto e dezembro de 1998, encontrava-se novamente Luiz Zveiter.

A ligação entre a dupla levanta suspeitas no grupo de Julio Brant, que analisa a situação com receio.

Uma vez nomeado o relator, Luiz Zveiter e mais 24 desembargadores votarão pela validade ou não da urna 7. Caso o mandado de segurança seja acatado, ela volta a valer e Eurico Miranda torna-se o vencedor da eleição cruzmaltina, tendo direito a indicar a maioria dos conselheiros no pleito do Conselho Deliberativo, que acontecerá até o dia 16 de janeiro, último do atual mandato do dirigente.

Após a decisão do colegiado dos desembargadores, caberá recurso do caso junto ao presidente do TJRJ, Milton Fernandes de Souza, e, posteriormente, ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), em Brasília.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos