Conheça o ex-Menino da Vila que virou italiano e está na mira do Chelsea

Guilherme Dorini

Colaboração para o UOL, em Londres (Inglaterra)

  • Claudio Villa/Getty Images

O elenco principal do Chelsea pode contar com mais um brasileiro para o restante da temporada – além de Willian e David Luiz. Segundo informações da imprensa britânica, Emerson Palmieri, revelado pelo Santos, está muito próximo de trocar a Roma pela equipe de Londres ainda nesta janela de transferência, que termina na próxima quarta-feira (31). O negócio gira em torno de 44 milhões de libras (R$ 199 milhões) e ainda envolveria o atacante bósnio Edin Dzeko, que também desembarcaria na capital britânica.

A carreira profissional de Emerson começou de maneira precoce. Ele estreou no time principal cedo, com apenas 16 anos, em uma partida válida pelo Campeonato Paulista de 2011 – foi seu único jogo na temporada. Um ano depois, até começou como titular da equipe no torneio estadual, mas, com o retorno dos atletas que jogaram no Mundial de Clubes e algumas lesões, acabou sem muitas chances no decorrer de 2012.

"Era um jogador que prometia para o futuro. Foi em uma época que resolvemos lançar alguns meninos, já que no Santos sempre tivemos esse pensamento. Gabigol, Neílton... É claro que ele ainda não estava pronto, mas já dava para ver que tinha futuro", disse Muricy Ramalho, responsável por lançar Emerson como profissional, em entrevista ao UOL Esporte.

Em 2013, voltou para a base. E funcionou. Emerson foi importante na conquista da Copa São Paulo de Futebol Júnior, a segunda na história do Santos, título que gerações talentosas não conseguiram – como Robinho, Diego, Paulo Henrique Ganso e Neymar. Depois da taça, voltou ao profissional e foi muito mais aproveitado por Muricy: jogou 17 partidas, sendo 11 como titular, além de ter marcado um gol.

"Ele foi melhorando pouco a pouco, era uma coisa natural. A Copa São Paulo é muito importante por conta disso, eles já jogam com mais pressão, com torcida, o crescimento é natural. Ele sempre teve muita técnica, não foi surpresa. O mais importante foi na Europa, quando ele deu esse 'estirão', cresceu mais ainda, muito bem técnica e taticamente", acrescentou Muricy.

Em 2014, já mais ambientado ao profissional, fez mais 11 partidas, todas como titular, e acabou emprestado em agosto para o Palermo. Sua primeira temporada na Itália, no entanto, foi irregular – apenas nove jogos, todos saindo do banco –, mas o suficiente para despertar a atenção da Roma, que acertou um empréstimo de dois anos junto ao Santos.

Filippo Monteforte

Na Roma, fez uma primeira temporada discreta, novamente apenas nove jogos, sendo apenas dois como titular. Na seguinte, no entanto, estourou. Começou no banco, mas precisou de somente seis jogos para ganhar a confiança de Luciano Spalletti e garantir seu espaço no clube.

Entre Liga dos Campões, Liga Europa, Campeonato Italiano e Copa da Itália, jogou 36 vezes, anotando um gol e despertando a atenção não só de outros grandes clubes, mas também da tradicional seleção italiana – o que o fez ser contratado em definitivo pela Roma por dois milhões de euros em janeiro de 2017.

Com um plano de renovação, Giampiero Ventura, então técnico da Itália, convocou Emerson para uma bateria de treinos com a seleção em abril de 2017. A lista de 23 nomes tinha como objetivo principal dar experiência às revelações que tinham chance de defender a Itália em jogos oficiais.

Emerson agradou nos treinos e foi chamado para o amistoso contra o Uruguai e o duelo contra Liechtenstein pelas Eliminatórias, além de outra convocação para um amistoso contra San Marino. No entanto, uma lesão fez com que seu sonho fosse interrompido. O ítalo-brasileiro sofreu uma ruptura dos ligamentos do joelho esquerdo e precisou passar um bom tempo de molho.

A lesão, inclusive, o fez perder espaço na Roma, que no mesmo período ainda trocou de treinador - agora é comandada por Eusebio Di Francesco. Recuperado fisicamente, Emerson fez apenas duas partidas, somando apenas 105 minutos em campo nesta temporada. A situação, no entanto, não desmotivou o Chelsea, que, mesmo assim, aposta na contratação – sendo um pedido do italiano Antonio Conte, para ser uma concorrência ao espanhol Marcos Alonso.

"Você tem que ver o que o técnico pensa. O Conte, técnico do Chelsea, quer um lateral que não seja um grande marcador, já que usa os três zagueiros, e os laterais como alas, como dois pontas. Ele escolheu o Emerson por causa disso. O forte dele é atacar, e esse esquema do Chelsea vai ajudar muito, já que ele é inteligente, ataca bem. Isso é importante, ir para um time que estudou bem suas características. Tem tudo para dar certo se realmente for contratado", analisou Muricy.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos