Topo

Futebol


"Neymar tinha que sair da sombra de Messi", diz Daniel Alves

AFP / LLUIS GENE
Messi, Daniel Alves e Neymar durante os tempos juntos no Barcelona Imagem: AFP / LLUIS GENE

Do UOL, em São Paulo

29/01/2018 09h11

Um dos maiores entusiastas da transferência de Neymar do Barcelona para o PSG, o lateral Daniel Alves disse, em entrevista para o site oficial da Fifa, que a busca do amigo por um novo clube no futebol europeu era importante para ele sair da sombra de Lionel Messi.

Neymar chegou ao Barcelona em 2013 e, em quatro anos no clube, acumulou títulos e elogios. Mas nunca foi protagonista como o meia-atacante argentino, que já foi cinco vezes eleito o melhor do mundo peça Fifa.

"Ele (Neymar) estava lá com (Lionel) Messi, o jogador mais influente no futebol mundial. O que acontece é que ele tinha que sair da sua sombra um pouco. Jogar com alguém tão único como Leo é a coisa mais incrível que pode acontecer com você, mas sempre há essa dúvida em sua cabeça se é você que realmente tem a qualidade ou se é ele", disse.

Daniel Alves defendia o Barcelona nos três primeiros anos de Neymar no clube, mas também optou pela transferência em 2016. Depois de uma temporada na Juventus, reencontrou o amigo da seleção brasileira no PSG, onde acredita que o atacante pode se consagrar individualmente.  

"Sempre gostei de brincar com ele, mas ele é argentino e Ney e eu somos brasileiros. Mais cedo ou mais tarde tivemos que enfrentar um ao outro (risos). Eu acho que você tem uma melhor chance de alcançar as coisas de forma individual quando você não está tão perto de um jogador como ele. Era importante para o próprio desenvolvimento de Ney e para o Brasil para ele seguir seu próprio caminho", disse.

Daniel Alves, no entanto, negou qualquer participação na contratação de Neymar pelo PSG. O lateral disse que deu apenas um conselho ao amigo durante a negociação.

"Não tive quase nada a ver. Quando foi a Barcelona, sim, eu tive influência na contratação. Dei a ele conselhos e contei as coisas boas que vivia no clube e na cidade. Mas neste caso não foi assim. Simplesmente cheguei primeiro do que ele . Somente em um momento de dúvida, em que ele não sabia o que fazer, falei que ele seguisse seu coração e fosse feliz. Esse foi o único conselho que dei", disse.

Mais Futebol