Topo

Futebol


Carpegiani conquista elenco do Flamengo com estilo "paizão"

Paulo Cesar Carpegiani está há quatro jogos no comando do Flamengo - Thiago Ribeiro/AGIF
Paulo Cesar Carpegiani está há quatro jogos no comando do Flamengo Imagem: Thiago Ribeiro/AGIF

Bruno Braz

Do UOL, no Rio de Janeiro

30/01/2018 04h00

Há quatro jogos no comando do Flamengo, Paulo César Carpegiani, ao seu estilo, vai conquistando o elenco rubro-negro. De fala mansa, orientador e didático, o treinador tem aglutinado o elenco da Gávea.

Acostumados com o colombiano Reinaldo Rueda até então, os jogadores têm se sentido abraçados pelo novo treinador, principalmente os jovens, com quem o técnico demanda tempo e paciência. “O Carpegiani é um cara humilde, respeitador e tem tudo para dar certo por aqui”, disse um funcionário ao UOL Esporte após o empate por 0 a 0 com o Vasco.

Com um jovem de 17 anos vendido ao Real Madrid por mais de R$ 140 milhões em mãos, o treinador é paciente.

"Se Vinícius Júnior está se cobrando, é porque tem muito mais a dar. No lance do gol (perdido contra o Vasco), ele podia driblar o goleiro, entrar com bola e tudo, mas é preciso ter paciência e calma. O Vinícius é um jogador que vai para o Real Madrid e tem que se aperfeiçoar, ser competitivo, fechar espaços, compor o meio", comentou.

Campeão mundial pelo clube em 1981, Carpegiani é respeitado. Em um novo desafio na Gávea, o comandante tem iniciado a temporada mesclando os jovens do Ninho do Urubu com os medalhões neste início da temporada.

“A palavra correta não é rodízio. Temos planejamento e um grupo ainda em pré-temporada. Existe a necessidade de dar sequência de jogos para esses jogadores. Não quero separar os meninos do outro grupo, vejo um todo. Os meninos da Copinha estão sendo acoplados e somos um grupo só. Na próxima quarta-feira, teremos um jogo-treino. Alguns meninos da Copinha serão já agora acoplados ao elenco”, disse.

Prestigiado, Carpegiani não criticou nem mesmo as vaias dos torcedores aos jogadores Romulo e Éverton Ribeiro no clássico:

“É nosso 12º jogador e não vamos ter na estreia na Libertadores. É nossa combustão, a pressão para que os jogadores tenham maior responsabilidade e, consequentemente, aquela garra, disposição, a mística do Flamengo. Já dirigi lá atrás um time que atacava e continuava essa exigência. As vaias eu não tenho nada a reclamar. Vai servir como um incentivo para quem está dentro de campo”.

Mais Futebol