Adilson passa por papo com Oswaldo e sub-23 para recomeçar no Atlético-MG

Enrico Bruno

Do UOL, em Belo Horizonte

  • Bruno Cantini/Divulgação/Atlético-MG

    Presente na maioria dos jogos em 2017, Adilson briga para retomar posto no time

    Presente na maioria dos jogos em 2017, Adilson briga para retomar posto no time

Antes peça incontestável no Atlético-MG, Adilson não vive o mesmo prestígio de outrora. Titular na maior parte de 2017, o volante foi preterido até mesmo no time reserva e chegou a jogar entre os garotos do sub-23 no início do ano. Agora com uma pré-temporada à disposição pela primeira vez em Minas Gerais, o jogador de 31 anos teve uma conversa importante com o técnico Oswaldo de Oliveira para mostrar que não só pretende ficar no clube, mas reconquistar o espaço que um dia foi seu.

Adilson chegou ao Atlético em março de 2017 e mal teve tempo para aprimorar a parte física. Bastante presente em campo com Roger Machado, Rogério Micale e Oswaldo de Oliveira, o volante começou a conviver com a queda de rendimento no fim do Brasileirão. Nas últimas dez rodadas, sofreu uma pancada no joelho que não o deixou 100% preparado para as partidas, mas também não o impediu de continuar jogando. Uma complicação cirúrgica com sua mulher na última semana do campeonato, além da evolução de garotos como Yago, decretou um fim de ano em baixa profissional e psicologicamente.

Neste ano, antes de embarcar para os Estados Unidos, onde disputaria a Florida Cup, Adilson teve um papo sincero com o comandante alvinegro. Na conversa, reconheceu ter sido superado pelos concorrentes, mas reforçou o desejo de continuar no clube e recuperar seu espaço, mesmo que para isso tivesse que atuar junto dos garotos do sub-23 que foram para os Estados Unidos e realizaram dois jogos amistosos.

"Conversei com o Oswaldo, procurei ele antes de viajar, para bater um papo com ele. Não fui cobrar. Ele não tem que dar explicações. Fui de peito aberto perguntar. Ele foi bastante sincero comigo. Muita gente terminou o ano bem, melhor do que eu. Foi mérito deles. Você acaba indo para trás na fila e tem que recuperar seu espaço. Ele deixou isso bem claro. Ele não poderia ignorar o que os outros meninos fizeram. Encarei com tranquilidade, entendi perfeitamente. Falei para ele que gostaria de permanecer e brigar pelo meu espaço. Minha esperança é, quando for solicitado, estar bem e ajudar no ano", revelou o jogador.

Agora de volta ao Brasil, Adilson está tendo o tempo para adquirir o ritmo de jogo que não teve em 2017. Dentro de campo, porém, ainda aguarda sua primeira oportunidade, mas segue fora da lista de prediletos de Oswaldo mesmo quando o treinador optou por escalar o time reserva durante o estadual. Além do titular Arouca, Yago e Gustavo Blanco são outros concorrentes no setor defensivo.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos