Após início de ano conturbado, Fluminense vive raros dias de sossego

Leo Burlá

Do UOL, no Rio de Janeiro

  • Lucas Merçon/Fluminense

    Abel ganhou mais dias de trabalho com a queda na Taça Guanabara

    Abel ganhou mais dias de trabalho com a queda na Taça Guanabara

Com o fim do Campeonato Brasileiro de 2017, a torcida do Fluminense imaginou que os ventos de 2018 soprariam de forma mais suave nas Laranjeiras, algo que só começa a dar sinais de acontecer por agora.

Após o trauma das oito rescisões com jogadores do elenco, a saída à revelia de Gustavo Scarpa, a perda de Henrique Dourado para o Flamengo, e a dificuldade para colocar os salários em dia, o Flu, aos pouquinhos, vai conseguindo ter alguma paz.

Se o ambiente político nas Laranjeiras ainda não é dos mais sossegados, o dia a dia no centro de treinamento Pedro Antonio vive dias de mais leveza, ainda que o Tricolor tenha sido eliminado precocemente da Taça Guanabara. Ninguém admite abertamente, mas a queda foi "bem-vinda", já que Abel ganhou um tempo precioso para trabalhar.

Longe dos holofotes, o Fluminense faz seus ajustes enquanto os rivais se desgastam. Com o ambiente mais leve após o clube quitar os débitos com o elenco, a expectativa é que o grupo vire a página a partir da retomada dos compromissos. A chegada do diretor Paulo Autuori também foi importante para pacificar o Flu.

"Ele foi essencial para essa mudança, tanto fora de campo dessas coisas de salário, tanto dentro de campo", atestou o volante Richard. O elenco tricolor ganhou folga neste sábado e domingo. O grupo retoma os trabalhos a partir de segunda já de olho no Salgueiro, rival de quinta, pela Copa do Brasil.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos