Cruzeiro disponibiliza parte das receitas de vendas e sócio para pagar BMG

Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

  • © Washington Alves/Light Press/Cruzeiro

    Wagner Pires de Sá, presidente do Cruzeiro, foi quem firmou acordo com o BMG

    Wagner Pires de Sá, presidente do Cruzeiro, foi quem firmou acordo com o BMG

O Cruzeiro precisou recorrer ao Banco BMG para quitar o débito deixado pela antiga diretoria com o elenco. O clube abriu uma linha de crédito e deu algumas garantias de pagamento à instituição.

Parte das receitas que entrarem nos próximos meses, incluindo venda de atletas, sócio-torcedor, bilheteria avulsa e venda de uniformes, será repassada à instituição financeira. O contrato é sigiloso por se tratar de um documento bancário, mas pessoas ligadas às diretorias da Raposa e da companhia confirmam o fato ao UOL Esporte.

No compromisso, os mineiros se dispõem a repassar até 15% da receita líquida para quitar o valor - R$ 50 milhões, com juros considerados abaixo do mercado, mas não revelados. O percentual varia de forma inversamente proporcional à arrecadação do clube. Ou seja, quanto maior o lucro, menor o percentual destinado à quitação do empréstimo.

Como o Banco BMG não pode ter percentual de jogador por se tratar de um terceiro e o fato infringir uma norma da Fifa, o montante que será destinado se refere a qualquer receita da agremiação.

O Cruzeiro aposta em três fatos para pagar a dívida rapidamente à instituição: venda de atletas - Murilo e Arrascaeta são os mais cobiçados -, faturamento do sócio-torcedor e arrecadação com bilheteria.

Dono de 80% dos direitos de Murilo, o clube pretende vendê-lo por 8 milhões de euros (R$ 32,2 milhões). Em relação a Arrascaeta, a Raposa detém 30% de seus direitos. O pedido é de 15 milhões de euros (R$ 60,3 milhões). A ideia é negociá-los após a Copa do Mundo da Rússia e repassar um percentual do faturamento ao BMG.

Hoje, o Cruzeiro fatura R$ 2 milhões por mês com o Sócio do Futebol, programa de sócio-torcedor. Com o intuito de ao menos duplicar a receita com o projeto, os mineiros repassarão parte do faturamento à instituição financeira.

Outro aspecto que auxilia é a renda com bilheteria no Mineirão. Os números não são detalhados nos borderôs, pois há venda de entradas no cartão de crédito. E este valor é entregue diretamente ao clube.

Segundo Itair Machado, o prazo estabelecido para pagamento era de seis meses após o acerto do empréstimo. Mas a reportagem apurou que o montante pode ser devolvido no decorrer da gestão do presidente Wagner Pires de Sá. O mandato do economista se encerra em dezembro de 2020. No entanto, há um aumento progressivo dos juros no contrato.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos