Cruzeiro traça plano para mudar imagem e recuperar credibilidade no mercado

Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

  • Divulgação/Cruzeiro

    Itair Machado (à esq.) e Wagner Pires de Sá (à dir.) tentam mudar imagem do Cruzeiro

    Itair Machado (à esq.) e Wagner Pires de Sá (à dir.) tentam mudar imagem do Cruzeiro

Campeão da Copa do Brasil, com vaga na Libertadores garantida e manutenção de boa parte do elenco. O legado deixado pela antiga diretoria do Cruzeiro tinha tudo para ser bom, não fossem as dívidas que arranharam a imagem do clube no mundo da bola.

A gestão de Gilvan de Pinho Tavares deixou quase R$ 50 milhões em débitos na Fifa e três meses de salários atrasados. Não foi só a necessidade de quitá-los que atrapalhou o início do trabalho feito pela nova administração. O presidente Wagner Pires de Sá e o vice de futebol Itair Machado tiveram de abusar da criatividade para evitar que os problemas atrapalhassem a atual temporada.

O primeiro passo era recuperar a credibilidade com o elenco. Por mais que os antigos gestores fossem próximos do plantel, foram deixadas dívidas de salários e premiações. Os três meses de atrasos foram pagos logo no início de janeiro. A cúpula contraiu empréstimos em três bancos distintos para pagar os atletas.

"Quando a diretoria anterior estava saindo, disseram que estavam deixando um Boeing na pista para decolar. Mas não deixaram o motor do Boeing. Só de salários atrasados, foram três meses", disse Itair Machado ao UOL Esporte.

"Jogador tem que receber salário. Eles deixaram três meses de salário atrasado e nenhuma premiação paga. Nenhuma premiação do Cruzeiro foi paga. Estava devendo tudo, fora as dívidas normais que eles deixaram", acrescentou.

O segundo ponto era reforçar o elenco, que já era considerado bom pela própria diretoria. Só que a fama de caloteiro fez com que os cartolas se deparassem com exigências inéditas no meio do futebol. Os casos mais evidentes são nas contratações de Bruno Silva e Mancuello, ex-jogadores de Botafogo e Flamengo, respectivamente.

Para tirar o primeiro de General Severiano, o Bota exigiu o pagamento de R$ 5 milhões à vista. O temor dos cariocas era entrar na lista de calotes do Cruzeiro. A nova diretoria, entretanto, depositou o dinheiro no prazo estipulado e o atleta iniciou a pré-temporada com os demais companheiros.

A busca por Mancuello foi além. O argentino foi contratado por por 1,8 milhão de dólares (R$ 6 mi à época), mas o pagamento é parcelado em quatro vezes. A primeira prestação - 40% do valor total - já foi paga. Para evitar os calotes, o Rubro-Negro exigiu que um possível atraso seja encaminhado imediatamente para a Câmara Nacional de Resolução de Disputas (CNRD) da CBF. O órgão terá a incumbência de solucionar o caso, passível de sanções desportivas.

Formado em Ciências Econômicas, o mandatário Wagner Pires de Sá busca alternativas para resolver os problemas pendentes. O cartola tem marcado reuniões constantes para resolver as dívidas existentes na Fifa. Ele já até se acertou com Defensor Sporting e Club Atenas, ambos do Uruguai, pelas contratações de Arrascaeta e Gonzalo Latorre. Há reunião prevista com outras equipes para que as ações sejam retiradas da Fifa ou que haja acordos mediados pelo órgão.

"O presidente é um economista e ele tem umas ideias boas e saídas para resolver as dívidas. Eu até gostaria de ficar fora disso, porque não é minha área. Mas estamos negociando tudo e resolvendo estas pendências. Temos a vantagem de ter um presidente economista. Ele tem uma credibilidade grande no mercado financeiro", concluiu Itair Machado.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos