Inter antecipa saídas com reforços e deixa Dourado e Pottker 'na vitrine'

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

  • Ricardo Duarte/SC Internacional

    William Pottker não está jogando no Inter por conta de uma lesão muscular na coxa

    William Pottker não está jogando no Inter por conta de uma lesão muscular na coxa

Pressionado por um orçamento apertado, o Inter adota a precaução. As contratações de Rossi e Rithely (ainda a ser confirmada) são exemplos claros disso, por se tratarem de posições cujos donos atualmente estão 'na prateleira' para serem vendidos na próxima janela de transferências.

Apresentado nesta segunda-feira, Rossi disse que prefere jogar aberto pela direita. É um jogador de velocidade, força e empenho extremo pela vitória. Características e posição que hoje têm no dono o principal reforço colorado no ano passado: William Pottker.

Só que Pottker, além de titular incontestável, afastado recentemente apenas por lesão, também é o atleta mais valioso do Inter sob olhar do mercado. Clubes chineses e europeus já sondaram o atleta na última janela de transferências e a próxima, mais quente no Velho Continente, pode ser definitiva para saída dele.

Por Pottker o Inter tem valor definido. Uma eventual venda só ocorrerá por valor aproximado de 12 milhões de euros (R$ 48,2 milhões).

Outra negociação que deve se confirmar nos próximos dias é Rithely. Depois de muito insistir, o Colorado fechou com o volante que chega egresso do Sport por empréstimo de dois anos. Neste caso, soa como reposição antecipada a dois jogadores: Dourado ou Edenílson.

O primeiro foi sondado por uma série de clubes. Sua estafe recebeu quatro propostas na última janela de transferências, mas nenhuma atingiu o valor imaginado pelo Inter. O clube espera ao menos 7 milhões de euros (R$ 28,1 milhões) por ele. 'Na prateleira', o Colorado espera novas investidas para firmar negócio.

A outra alternativa é a saída de Edenílson. O vínculo dele é de empréstimo e os direitos ligados à Udinese, da Itália. Para ficar com o ex-corintiano, o Colorado precisa firmar compra.

"A gente não nega a necessidade de vender jogadores. Todos sabem e isso não é só o Inter, todos os clubes precisam vender jogadores. Precisamos deste recurso para equilibrar o orçamento. Ano passado foi só o William, neste ano não vendemos ninguém. Então, há realmente essa necessidade. Tem a janela do meio do ano e tem a necessidade da gente vender algum jogador para equilibrar o orçamento. Temos de nos antecipar. Não posso deixar para tentar ir atrás de reposição em julho e agosto, com campeonatos andando, jogadores vindos de fora e com tempo para se adaptar.  E é o que temos que fazer, temos que tentar dar um passo na frente para possíveis saídas de jogadores e já termos a reposição em casa", afirmou o vice de futebol do Inter, Roberto Melo.

Pressão pelos números

O Inter está pressionado. Segundo orçamento apresentado no início do ano para esta temporada, o clube precisa de R$ 41 milhões oriundos de venda de jogadores. No ano passado o clube só realizou R$ 18 milhões com a venda do lateral direito William ao Wolfsburg, da Alemanha. O total arrecadado, contando outras negociações menores, bateu em R$ 24,1 milhões. Em 2016 foram apenas R$ 14,3 milhões em vendas.

Até agora nenhum jogador foi vendido pelo clube de Porto Alegre e o orçamento apertado já gerou um pedido de suplementação orçamentária aprovada no início deste ano na casa dos R$ 26 milhões.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos