Estreia de banco colado à arquibancada de S. Januário tem vaias e repressão

Bruno Braz

Do UOL, no Rio de Janeiro

Uma das grandes novidades da estreia do Vasco na fase de grupos da Copa Libertadores foi a inauguração dos bancos de reservas na lateral do campo, colados à arquibancada de São Januário, deixando para trás uma tradição histórica do estádio de localizá-los atrás de um dos gols. O UOL Esporte esteve "in loco" no vidro de proteção durante o jogo, bem próximo aos treinadores, e presenciou protestos, forte esquema de segurança e repressão da Polícia Militar aos mais exaltados na derrota do time carioca para o Universidad de Chile por 1 a 0, na noite dessa quarta-feira.

Clique aqui para assistir aos melhores momentos da partida

Bruno Braz / UOL Esporte
Seguranças e policiais se misturam aos torcedores em grade de proteção

Antes de a bola rolar, o novo local – que foi uma imposição da Conmebol e da CBF – despertava a curiosidade do torcedor. Tão logo os times entraram em campo, tiveram início as interações com jogadores e comissões técnicas.

O técnico Zé Ricardo, aniversariante do dia, foi cortejado pelos vascaínos e retribuiu com sinais de agradecimento. O atacante Paulinho - que ficou no banco por conta da virose que acometeu elenco, comissão técnica, diretoria e funcionários - foi um dos mais festejados.

Bruno Braz / UOL Esporte
Torcedor acompanha jogo atrás do banco. Zé Ricardo, ao fundo, observa time

A frente do vidro de proteção estavam seguranças particulares (stewarts) atentos a qualquer movimentação suspeita na arquibancada. Outros seguranças à paisana se comunicavam por rádios e a Polícia Militar entrava em ação nos momentos de emergência.

O primeiro momento neste sentido aconteceu ainda no primeiro tempo, por conta de torcedores que socavam o vidro seja por reclamação ou simplesmente por acompanhar o ritmo das músicas entoadas. Um dos vascaínos mais exaltados e com sinais de embriaguez não gostou de ser chamado a atenção por um stewart e iniciou uma discussão. A PM foi acionada e cerca de oito policiais foram em direção a ele e a um grupo de amigos. Uma das autoridades ameaçou: "Se você quiser a gente resolve isso de uma forma rápida". O torcedor, então, se calou.

Vaias no segundo tempo

O clima, que parecia tranquilo tirando manifestações isoladas, mudou no segundo tempo. Após o gol da Universidad de Chile, intensificaram-se as vaias ao técnico Zé Ricardo. Muitos torcedores reclamavam de suas substituições e, em seguida, passaram a pegar no pé do jovem meia Evander.

Bruno Braz / UOL Esporte
Princípio de confusão entre torcedores e a Polícia Militar em São Januário

Quando os protestos já aumentavam, a Polícia Militar novamente foi acionada e retirou os torcedores que estavam colados junto aos vidros de proteção. Além disso, reforçou a segurança do local colocando homens junto ao seguranças no cordão de isolamento do local.

Não houve, porém, arremesso de objetos mesmo com a exaltação dos vascaínos após o término da partida e a confirmação da derrota por 1 a 0.

A última vez que o Vasco havia mudado os bancos para a lateral do campo foi em 2006, por solicitação do então técnico Geninho, mas a mudança durou apenas três jogos. Na ocasião, eles ficaram localizados ao lado da social. 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos