Topo

Futebol


Contratado como opção, Sheik vira atacante mais efetivo do Corinthians

Paulo Whittaker/Reuters
Emerson Sheik marcou pela segunda vez depois do retorno ao Corinthians Imagem: Paulo Whittaker/Reuters

Do UOL, em São Paulo

2018-03-15T04:00:00

15/03/2018 04h00

Dois gols em dois jogos que estavam fadados ao empate sem gols. O desempenho recente de Emerson Sheik fez do veterano atacante o mais efetivo do Corinthians no começo da temporada. Depois de ser contratado como mera opção para o ataque carente de um centroavante, o jogador de 39 anos tem resolvido jogos, amenizando o ponto fraco do time - na quarta-feira, ele abriu caminho para a vitória alvinegra por 2 a 0 sobre o Deportivo Lara, da Venezuela. Clique aqui para ver os gols do jogo.

Foi a segunda partida seguida de Sheik como titular do time do técnico Fábio Carille. No lugar do meia Jadson, o atacante abriu o placar aos 20 minutos do segundo tempo depois de iniciar e finalizar uma jogada na área. De cabeça, como um camisa 9, ele furou a retranca do adversário.

Com dois gols marcados nos últimos três jogos, Sheik já é mais efetivo que Kazim, que ainda não balançou as redes em 2018, além de Júnior Dutra e Romero, que atuaram mais vezes e só fizeram um gol cada. Clayson foi às redes em duas oportunidades, mas também entrou em campo mais vezes.

Após mais uma boa atuação, Sheik deu a entender que está dando a volta por cima depois de retornar ao Corinthians sob um contrato curto, até o fim de junho. Além disso, o atacante voltou a destacar que tem feito treinos intensos no CT Joaquim Grava. 

"Nessa volta, ouvi muitas coisas, mas tinha o apoio do Fábio e da diretoria. Faltava era se dedicar aos treinamentos, já que fiquei um período longo sem jogar. Eu tenho treinado pra caramba, tenho consciência da minha idade e de que temos um grupo qualificado. Os treinos são muito competitivos e todos têm chance de jogar. Fico feliz pelo gol", disse Sheik.

O atacante ainda ganhou elogios do técnico Fábio Carille, que destacou o papel de Sheik também fora de campo diante de um elenco repleto de jogadores jovens. 

"A gente precisava encorpar nosso time, ter mais respeito. Colocar um Sheik, campeão da Libertadores e do mundo, dá um peso. Quando começou a falar, a gente já acelerou as negociações. Ano passado faltou isso nos momentos em que não conseguimos os resultados. O Jô trouxe um pouco isso, dentro e fora de campo. E o Emerson está trabalhando muito para nos ajudar", frisou o treinador.

Paulo Whitaker/Reuters
Emerson Sheik foi decisivo mais uma vez Imagem: Paulo Whitaker/Reuters

"Mr. Libertadores"

Sheik se tornou um dos heróis da história do Corinthians ao marcar dois gols na final contra o Boca Juniors, em 2012. Na campanha, o atacante também foi decisivo na primeira semifinal contra o Santos e na partida de ida da final, quando deu a assistência para Romarinho marcar.

Apesar disso, Sheik ressaltou que os momentos são distintos, se colocando somente como uma opção para a equipe de Carille. O atacante ainda destacou que o Corinthians tem time para buscar o bicampeonato continental.

"As lembranças de 2011 e 2012 não saem da cabeça do torcedor, por conta da Libertadores e do Mundial. Mas temos que entender que é um cenário diferente, o elenco mudou. Em primeiro lugar eu me sinto privilegiado de saber que consigo transmitir esse sentimento ao torcedor, mas também é motivação, para se dedicar mais, treinar mais, contribuir como for para a equipe buscar o bicampeonato. Esse é nosso desejo, nosso sonho. Como foi em 2012, queremos buscar o título", disse Emerson, que não se vê muito como um predestinado.

"Cheguei em 2011 e tive a oportunidade de trabalhar com o Tite e o Fábio e aprendi isso com eles: não acredito mais, um dia acreditei. Acredito hoje que tem que trabalhar, se cuidar e aí você obtém resultados bons. Sorte, não acredito. Predestinado? Talvez. Mas hoje acho isso, que consegue resultados bons se trabalhar", afirmou.

Mais Futebol