Homem da grana do PSG atua nos bastidores e jamais viu Neymar

João Henrique Marques

Do UOL, em Paris

  • Fayez Nureldine/AFP

    O emir do Qatar, o xeque Tamim bin Hamad al-Thani, é o dono do PSG

    O emir do Qatar, o xeque Tamim bin Hamad al-Thani, é o dono do PSG

Presente no Parque dos Príncipes na eliminação do Paris Saint-Germain pelo Real Madrid nas oitavas de final da Liga dos Campeões, o emir do Qatar, Tamim bin Hamad Al Thani, não esperou nem o apito final. Deixou o estádio assim que Verratti foi expulso, quando o time francês perdia por 1 a 0 – o placar final foi por 2 a 1 para os espanhóis. Foi a demonstração da revolta de quem esperava ver o investimento de mais de 400 milhões de euros (R$ 1,6 bilhão) na temporada dar resultado. A saída do local foi sem passar pelos vestiários, falar com o presidente do clube, e muito menos jornalistas. O dono do fundo que administra o PSG é figura extremamente discreta.

A atuação nos bastidores é quase imperceptível. Tanto que o presidente do PSG, o xeque Nasser Al Khelaifi, figura comum na mídia, parece ter plenos poderes. No entanto, é Tamim bin Hamad quem articulou, por exemplo, o pagamento de 222 milhões de euros para a compra de Neymar. O sucesso na operação se resumiu todo ao telefone e interlocutores. Ele jamais viu sua principal contratação pessoalmente.

Aos 37 anos, Tamim bin Hamad é o emir do Qatar desde 2013. Já a posição de destaque no esporte é mais antiga. Em 2005, usou a riqueza da família para criar Qatar Sport Investiments, com o objetivo de promover o país através do esporte.

Em 2006, a empresa foi a responsável pela organização dos Jogos Asiáticos, em Doha. Pouco depois, articulou a candidatura do Qatar aos Jogos Olímpicos de 2020 – vencido por Tóquio, no Japão. Mas a grande conquista foi o direito de sediar a Copa do Mundo de 2022.

A fortuna da família está ligada ao controle do Qatar, país rico em petróleo e gás natural. No PSG, os gastos da Qatar Sport Investment em contratações já passaram do 1 bilhão de euros (R$ 4 bilhões). A aquisição foi em 2011, quando encontrou um time europeu médio em crise esportiva e financeira.

O presidente do PSG, Nasser Al Khelaifi é amigo pessoal do emir do Qatar e tem cargo de confiança. O controle financeiro, no entanto, cabe todo ao fundo de investimentos.

Com salário de cerca de 30 milhões de euros (R$ 120) ao ano, Neymar assinou contrato com o PSG até 2022, o ano da Copa do Mundo no Qatar. E as especulações em torno do Real Madrid em nada afetam Tamim (bin Hamad Al Thani. Quem o rodeia avalia como provável o brasileiro cumprir o contrato até o fim.

"É normal que se atribua ao Nasser todo o sucesso administrativo do PSG. Mas o Neymar só está aqui por um desejo do Tamim (bin Hamad Al Thani). Ele é apaixonado por futebol. Já falou em comprar Messi e Cristiano Ronado, e não se mete em nenhuma negociação. Com ele o dinheiro parece não ter limite", explicou Florent Tourchet, repórter do jornal esportivo francês L'Equipe.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos