Topo

Futebol


Continuidade e paz com a torcida: Como o Inter quer resgatar era vitoriosa

Ricardo Duarte/Internacional
Expoente do Inter, D'Alessandro confia em união para recuperar era vitoriosa do clube Imagem: Ricardo Duarte/Internacional

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

2018-04-09T04:00:00

09/04/2018 04h00

Não faz tanto tempo assim e foram anos de glória. Vice do Brasileiro (que até hoje não deixou a memória dos colorados) em 2005, Libertadores e Mundial em 2006, Recopa em 2007, Sul-Americana em 2008, vice do Brasileiro e da Copa do Brasil em 2009, Libertadores de 2010, Recopa em 2011. Os anos de glória do Inter ficaram para trás. Agora, de volta à Série A após disputar a segunda divisão pela primeira vez em sua história, o Colorado traça planos para reaver tal época.

A avaliação interna é bem simples: o Inter venceu porque se uniu. Foi no começo dos anos 2000 que o clube passou por um processo de unificação no objetivo de mudar de status. Deu certo. Arestas aparadas internamente e uma sequência de comando que resultou na conquista de uma série de títulos importantes, entre eles os maiores da história vermelha.

"Foi um período que o Inter conseguiu ter continuidade no trabalho. Começou a ser reconstruído em 2003, 2004, teve um ano emblemático de 2005 que nós deveríamos ter sido campeões brasileiros. Que não gostamos nem de lembrar contra o Corinthians. Mas o destino nos reservou coisas melhores. Assim como nos anos 70 que aquele grande time teve conquistas como fruto de continuidade. É dar sequência ao trabalho, continuidade ao departamento de futebol e confiança ao treinador que ali na frente vamos colher frutos melhores", disse o presidente Marcelo Medeiros.

A união é exatamente o pilar para reconstrução, na visão do Inter. Tanto que na data do aniversário do clube, dia 4 de abril, o capitão D'Alessandro rogou para que todos participem unidos da recuperação do Inter.

"Já passamos por tudo. Eu falo isso para o torcedor. O aniversário do clube é um dia especial, um dia onde o torcedor lembra de coisas, feitos relevantes, como diz o hino, começa a relembrar momentos não tão bons também. Mas isso não só no futebol, mas na nossa vida também. Não é tudo bonito. Tem pedras no caminho que temos que pular, temos que fazer a mais para conquistar. A história do Inter é isso. Momentos ruins, momentos muito bons. Décadas que o torcedor sofreu, momento de 15 anos que aproveitou muitíssimo, onde teve o prazer de aproveitar e comemorar as maiores conquistas da história do clube... O momento é de união, um momento recapacitar, de pensar no clube, de pensar que o Inter é muito grande, que temos que, com a ajuda dos torcedores e do grupo, diretoria, conselheiros, todos mundo que quer o bem do clube, se unir porque é um momento delicado. Não é um momento bom, é delicado. Estamos nos restruturando, estamos tentando erguer o clube de novo. Então precisamos de união, do torcedor, é ele que faz o clube, é ele que nos dá força para continuar. Como fizeram no último Gre-Nal. Acreditando no time e no trabalho. É a base. A partir daí vai o trabalho dentro de campo para que o resultado venha. Não adianta falar bonito e o resultado não acompanhar, então, trabalhamos para isso, estamos trabalhando forte para fazer um bom campeonato. Para se manter, eu acho que nós já conseguimos o mais difícil que foi voltar para Série A. Agora é importante se manter", afirmou.

Para isso, um dos pontos fundamentais é a reaproximação da torcida. O Internacional tem claro objetivo de acabar com a onda de protestos e a relação estremecida que teve com os aficionados em 2016 e 2017. Não foram poucos os conflitos que acabaram com depredação do Beira-Rio e suspensão de organizadas.

Uma das ações de reaproximação foi a abertura para novos associados na modalidade 'carteira vermelha', fechada pelo número de associados. Este tipo de torcedor não paga ingresso e tem lugar cativo no Beira-Rio a partir do check-in, informando que estará no jogo.

Além disso também foram abertas associações na modalidade 'Academia do Povo' que custa apenas R$ 10 mensais. O plano é destinado a aficionados de baixa renda.

"Estádio bonito é estádio cheio, e o torcedor colorado é o nosso principal patrimônio. Temos a política de incentivar que o torcedor torne-se sócio. Abrimos lotes de associações Academia do Povo que resgata nosso associado mais simples, que dá a cara do clube como clube do povo do Rio Grande do Sul. E reabrimos a associação na modalidade carteira vermelha"explicou o presidente Medeiros.

O Internacional caiu nas quartas de final do Gauchão. Acredita, porém, que no período sem jogos conseguiu crescer como grupo e poderá entrar melhor no Brasileiro e na quarta fase da Copa do Brasil.

O próximo jogo oficial aponta para quarta-feira, às 19h30 (de Brasília), diante do Vitória.

Mais Futebol