Deputado propõe Lei que obriga árbitros a declarar quais times eles torcem

Do UOL, em São Paulo

  • Jales Valquer/Fotoarena/Estadão Conteúdo

    Mais recente polêmica de arbitragem envolveu Marcelo Aparecido na final do Paulista

    Mais recente polêmica de arbitragem envolveu Marcelo Aparecido na final do Paulista

Um projeto de lei peculiar está tramitando na Câmara dos Deputados. Trata-se do PL 9983/2018, de autoria do Deputado Capitão Augusto (PR/SP), que pretende obrigar árbitros e assistentes de partidas de futebol a declararem seus times do coração. O texto foi recebido pela Comissão do Esporte (CESPO) nesta sexta-feira (13) e aguarda designação de um relator nesta comissão.

O projeto visa a alterar o artigo 30 do Estatuto do Torcedor (Lei nº 10.671), que atualmente determina que "é direito do torcedor que a arbitragem das competições desportivas seja independente, imparcial, previamente remunerada e isenta de pressões". O deputado pretende substituir este trecho, incluindo dois novos parágrafos que, no geral, obrigam os profissionais de arbitragem a informar o clube para o qual torcem (leia na íntegra abaixo).

A proposta não elucida como a declaração seria comprovada, nem em quais níveis a obrigação deveria ser requerida. O Deputado Capitão Augusto justifica no documento que, para garantir a imparcialidade no esporte, "é necessário que as competições sejam limpas e seus árbitros isentos de pressões e preferências pessoais". 

Além das vinculações e paixões pessoais, o texto vai além e defende ser recomendável "que o profissional não participe de competições que envolvam time de seu Estado de nascimento ou do Estado em que reside".

Esta última proposta conflita com o atual procedimento da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). No Campeonato Brasileiro de 2017, por exemplo, não havia limitação para que árbitros apitassem jogos de times de seu próprio estado. A medida, aliás, teve base na preocupação da CBF com a lisura da arbitragem, sendo como um voto de confiança e uma aposta na idoneidade dos árbitros e assistentes.

Confira o principal trecho do PL:

"O art. 30 da Lei nº 10.671, de 15 de maio de 2003, passa a vigorar com a redação:

'Art. 30. É direito do torcedor que a arbitragem
§ 1º É vedada a utilização de árbitro e de auxiliares que sejam naturais ou residam no Estado da Federação no qual qualquer dos times que for competir a partida tenha sua sede.
§ 2 É obrigatória a declaração, por escrito, do árbitro e do auxiliar informando o time do qual são torcedores, sendo vedada sua participação nos jogos de seu time de preferência, sob pena de nulidade da partida.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos