Estrutura, recursos e 1ª final: precisamos falar sobre o futebol capixaba

Gabriel Carneiro

Do UOL, em São Paulo

  • Divulgação/Atlético de Itapemirim

    Atlético-ES tem cinco vitórias e um empate e jogará a final da Copa Verde em 2018

    Atlético-ES tem cinco vitórias e um empate e jogará a final da Copa Verde em 2018

Um time do Espírito Santo jogará uma final de campeonato nacional pela primeira vez na história em 2018: é o Atlético de Itapemirim, que enfrenta o Paysandu na decisão da Copa Verde após eliminar Luverdense-MT, Cuiabá-MT e Brasiliense nas fases anteriores. A decisão inédita põe o futebol capixaba em evidência e representa algo que as pessoas que vivem o futebol no Estado tratam como primeiro grande passo de um longo processo. O objetivo final é estabelecer o Espírito Santo como um lugar onde o futebol é conduzido de forma profissional e os times são competitivos a nível nacional.

Dois clubes estão puxando a fila: o Atlético-ES, primeiro finalista nacional da história do Estado, e o Espírito Santo, que chegou às oitavas de final da Série D do Campeonato Brasileiro em 2017 e foi eliminado pelo campeão Operário-PR. O Espírito Santo joga novamente a Quarta Divisão nesta temporada, assim como o Atlético (que também disputa a Série D), que esteve na Copa do Brasil, mas caiu para o Remo ainda na primeira fase. Os passos são dados pouco a pouco, mas simbolizam um momento de melhorias estruturais dos clubes e partir de um aumento em sua capacidade financeira.

Em 2018, o Atlético-ES teve como principal fonte de recursos a Prefeitura Municipal de Itapemirim, que repassou verba de R$ 2,8 milhões para a administração do clube em cinco competições. Este valor é praticamente todo investido em montagem de elenco, reformas no estádio, pagamento de funcionários e dívidas antigas e melhorias no centro de treinamento, não mais em logística de viagens, transporte, bolas ou taxas de arbitragem. Quem assumiu esses custos, desonerando os clubes, foi a Federação Capixaba, como relata seu presidente, Gustavo Vieira.

"Desde que assumimos a Federação, há três anos, nosso foco tem sido em viabilizar recursos para diminuir a despesa dos clubes. Foi a solução que nós encontramos para que eles possam investir em elenco e estrutura de forma gradativa e anual. Tem sido uma evolução muito interessante e depositamos muita esperança em romper a barreira da Série D esse ano. Ano passado chegamos perto com o Espírito Santo, tanto que neste ano atraímos mais investidores e patrocinadores, aumentamos média de público e temos um jogo por rodada na TV aberta", diz, ao UOL Esporte.

Divulgação/Atlético de Itapemirim
Time foi fundado em 1965 por torcedores de MG. Filiação à Federação veio só em 2010

O dinheiro não está caindo do céu, claro. O futebol capixaba realiza convênios, elabora projetos via Lei de Incentivo ao Esporte, possui certificado de modelo de governança emitido pelo Ministério do Esporte e capta recursos no Governo Federal para desenvolvimento do esporte local - o Estadual, por exemplo, se chama "Capixabão Sedex", pois é patrocinado pelos Correios. É o que viabiliza condições à Federação de pagar pelas taxas que estão desonerando os clubes e ainda montar um cronograma de atividades para categorias de base. O Capixabão sub-20, por exemplo, tinha dez clubes no ano passado e terá 16 em 2018. Também há atividades nas categorias sub-17 e sub-15, com perspectivas de sub-13 e sub-11 nos próximos anos.

"Eu cheguei ao Atlético-ES vai fazer dois anos e notei o crescimento do clube e também de todas as equipes aqui no Espírito Santo. Há mais qualidade nos jogadores e melhores condições de trabalho, o que deixa a conquista dos resultados mais próxima de nós. Fomos campeões capixabas e da Copa Espírito Santo no ano passado, agora final da Copa Verde, invictos, algo inédito na história do clube e do Estado. É ótimo, mas estamos pensando mais na frente, em continuar crescendo e deixando o Estado crescer", diz o técnico Zé Humberto, que teve passagem pelo Santos nos tempos de jogador e comanda o Galo desde agosto de 2016.

Matheus Cardoso/Divulgação
Zé Humberto jogou no Santos nos anos 80 e depois seguiu carreira como técnico

Antes do Atlético-ES e do Espírito Santo, o futebol capixaba havia se orgulhado do São Mateus semifinalista da Copa Centro-Oeste de 2000 e do Linhares semifinalista da Copa do Brasil de 1994. Clubes do Estado participam da Copa Verde, originalmente criada pela CBF para dar calendário de jogos às regiões Norte e Centro-Oeste, porque não há competições interestaduais no Sudeste, e o Estado tem um nível menor de desenvolvimento esportivo em relação a Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. O título da Copa Verde assegura vaga nas oitavas de final da Copa do Brasil da temporada seguinte.

Atualmente, os clubes têm à disposição dois estádios utilizados na preparação das seleções de Austrália e Camarões para a Copa do Mundo de 2014: Engenheiro Araripe e Kléber Andrade, que recebe até partidas de clubes do Rio de Janeiro com frequência. Também houve, para este ano, a reforma do estádio do Rio Branco e nova iluminação no estádio do São Mateus.

"É uma crescente, os resultados mostram. As coisas estão evoluindo", diz o presidente da Federação, otimista pelo futuro do (até hoje) ofuscado futebol capixaba.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos